Greve

Comboio de camiões-cisterna segue para abastecer aeroporto de Lisboa

Comboio de camiões-cisterna segue para abastecer aeroporto de Lisboa

Transporte de combustível para aeroporto de Lisboa deve acontecer nas próximas horas.

Dezenas de camiões-cisterna preparam-se para partir do parque da Companhia Logística de Combustíveis (CLC) em Aveiras de Cima, concelho de Azambuja, com destino ao aeroporto de Lisboa, para normalizar o abastecimento de combustível no Aeroporto Humberto Delgado, avança o Expresso.

Segundo fonte da corporação, os camiões-cisterna já estão a abastecer de combustível e o percurso até à capital será acompanhado por elementos da Unidade de Intervenção e do Destacamento de Trânsito da GNR. Fonte do setor petrolífero, ouvida pelo mesmo jornal, indica que motoristas disponíveis para a operação exigem garantias de segurança para conduzir os camiões até à capital.

Dezenas de motoristas de transporte de Matérias Perigosas manifestaram-se, esta tarde, pelo aumento dos salários na Companhia Logística de Combustíveis.

O ministro da Economia apelou aos motoristas de mercadorias perigosas que estão em greve para que cumpram os serviços mínimos decretados hoje no âmbito da requisição civil. Siza Vieira afirmou ter "razões para acreditar" que as empresas de transporte e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) irão conseguir "chegar a um entendimento", apelando para que o diálogo seja retomado entre as duas partes.

A greve nacional dos motoristas de matérias perigosas, que começou à meia-noite de segunda-feira, foi convocada pelo Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), por tempo indeterminado, para reivindicar o reconhecimento da categoria profissional específica.

Após a requisição civil, os militares da GNR mantiveram-se de prevenção em vários pontos do país para que os camiões com combustível pudessem abastecer e sair dos parques sem afetarem a circulação rodoviária.

Em Aveiras de Cima, avançou a mesma fonte, quando os camionistas de substâncias perigosas começaram a ocupar a estrada foi necessário um reforço dos elementos da Unidade de Intervenção que já estavam de prevenção no local.