Banco

Comissão de levantamento ao balcão da CGD quase triplica

Comissão de levantamento ao balcão da CGD quase triplica

Banco público mantém opção de sobrecarregar clientes com custos. Titulares de contas à ordem, nomeadamente estudantes universitários, vão pagar mais a partir de 15 de maio.

Um simples levantamento de dinheiro ao balcão com a tradicional caderneta da Caixa Geral de Depósitos (CGD) irá pagar, a partir de 15 de maio, uma comissão de 2,75 euros, valor que compara com 1 euro ainda em vigor. Ou seja, quase triplica. Este é apenas um dos exemplos apresentados no novo preçário que o banco irá fazer entrar em vigor a partir de 15 de maio.

A informação está disponível no próprio site da CGD e basta comparar com o preçário em vigor, que está no Portal do Cliente Bancário, do Banco de Portugal.

Aparentemente, os universitários irão estar sujeitos a novas comissões ou a um aumento das mesmas. Por exemplo, os titulares das "contas à ordem uni-tituladas por estudantes com idade igual ou superior 26 anos com cartão Caixa IU-Institutos e Universidades" vão passar a pagar uma comissão mensal de dois euros (mais 4% de imposto de selo), o que em termos anuais irá representar um custo de 24 euros. Este segmento de produto bancário nem existe agora. O que há disponível são "Contas à ordem uni-tituladas por Estudantes Universitários com idade inferior a 26 anos com cartão Caixa IU-Institutos e Universidades", que estão e continuarão isentos de comissões.

A Caixa Geral de Depósitos cobrou o ano passado em Portugal 383,3 milhões de euros em comissões, mais 2,3% do que em 2017, quando foram 374,5 milhões de euros. O aumento da cobrança de comissões pelo banco público, um dos objetivos definidos no plano estratégico acordado com a Comissão Europeia como contrapartida da recapitalização pública, tem provocado muita polémica nos últimos dois anos.

Imobusiness