PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Confiança dos consumidores voltou a melhorar em agosto

Confiança dos consumidores voltou a melhorar em agosto

O indicador de confiança dos consumidores voltou a melhorar em agosto, mantendo uma tendência que já se verifica desdeo início do ano, embora continue com valores muito negativos, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística.

"O indicador de confiança dos Consumidores prolongou em agosto o perfil positivo iniciado em fevereiro", depois de ter registado o mínimo histórico em janeiro, sublinha o Instituto Nacional de Estatística (INE)

O INE adianta que esta recuperação "resultou dos contributos positivos das perspetivas sobre a evolução da situação económica do país e sobre a situação financeira das famílias e das expectativas relativas à evolução do desemprego, mais expressivos nos dois últimos casos".

Apesar da melhoria verificada em termos de confiança dos consumidores, o valor alcançado em agosto não só se manteve em terreno negativo (-49,2 pontos), como continua muito abaixo da média da série (-28,6 pontos). O ponto mínimo foi alcançado em janeiro de 2012, com um valor de -57,1, e o valor máximo foi obtido em novembro de 1997, com um registo de -5,5 pontos.

Para a melhoria da confiança dos consumidores em agosto contribuíram todas as suas componentes, com exceção da referente à "capacidade de poupar dinheiro nos próximos 12 meses", em que o valor regrediu de -46,6 pontos em julho para -47,2 pontos em agosto.

Nas restantes componentes a evolução foi positiva.

A opinião dos consumidores sobre a situação financeira do lar nos próximos 12 meses melhorou de um valor negativo de -29,6 em julho para -27,8 em agosto, mas manteve-se longe do valor médio da série (-11,6).

Já a opinião sobre a situação económica do país nos próximos 12 meses também melhorou entre julho e agosto, passando de um valor de -56,3 para -54,8, ainda assim muito abaixo do valor médio da série de -30,4 pontos.

Quanto à perspetiva dos consumidores em relação è evolução do desemprego nos próximos 12 meses, a opinião também melhorou, passando de 69 pontos para 67,2 pontos, mas muito acima do valor médio da série, que é de 43,1 pontos.