PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Construção perderá mais de 60 mil empregos em 2012

Construção perderá mais de 60 mil empregos em 2012

O Sindicato da Construção de Portugal alertou, esta quarta-feira, para a previsível perda de mais 60 mil empregos no sector, em 2012, e denunciou o reaparecimento de "redes mafiosas" que angariam trabalhadores portugueses para o estrangeiro.

"O Estado vai pagar em 2012 cerca de 360 milhões de euros a 60 mil trabalhadores desempregados do sector da construção que vão deixar de ter trabalho e ficarão a receber 500 euros mensais de subsídio de desemprego", afirmou o presidente do sindicato, Albano Ribeiro, em conferência de imprensa no Porto.

Em causa, disse, está o fim próximo das obras do parque escolar e de várias autoestradas, que "até maio vai levar milhares de trabalhadores a ter que sair do país", sob pena de se juntarem aos já mais de 90 desempregados do sector.

Para o dirigente sindical, "a única alternativa a esta situação é a [aposta na] requalificação [urbana]", que, garante, "sai mais barata que os 360 milhões de euros" a pagar em subsídios de desemprego.

Antecipando que "milhares de trabalhadores da construção e suas famílias vão ter, em 2012, a pior qualidade de vida de sempre", Albano Ribeiro alertou que "a crise no sector fez reaparecer as redes mafiosas, que estão a angariar trabalhadores para trabalhar no estrangeiro por 496 euros mensais".

"As autoridades, nomeadamente a Polícia Judiciária e a Segurança Social, têm que intervir", sustentou.

De acordo com o dirigente sindical, foi já pedida uma "reunião de carácter urgente" ao secretário de Estado das Comunidades, com quem o sindicato se propõe deslocar aos países para onde estão a ser mobilizados trabalhadores portugueses, "a fim de intervirem em conjunto para acabar com as redes mafiosas".

Segundo Albano Ribeiro, o sindicato solicitou também já duas audiências ao ministro da Economia, Álvaro Santos Pereira, não tendo obtido ainda qualquer resposta.

"Nunca nenhum Governo do PS ou do PSD fez o que este Governo está a fazer a este sindicato", lamentou, acusando o actual ministro da Economia de ter "cortado relações" com a estrutura "como nenhum outro" o fez.

Debaixo das críticas do sindicato voltou ainda a estar a paragem, desde Junho, das obras do túnel do Marão, depois de a Somague ter recebido instruções por parte da concessionária para suspender os trabalhos.

"Queremos que o ministro da Economia nos diga, por exemplo, o que pensa quanto aos túneis do Marão, cujas obras eram para recomeçar a 27 de Novembro depois de terem parado sem qualquer justificação científica, técnica ou ambiental", sustentou.

Segundo referiu, são vários os trabalhadores que estava afectos a essa obra que se viram entretanto forçados a emigrar para França, "onde estão agora a ser escravizados".

"Não há desenvolvimento económico em qualquer país do mundo se não se investir na construção", considerou Albano Ribeiro, alertando que a situação no sector "é muito complicada" e vai levar a um forte aumento "da violência e do endividamento".

O sindicalista fez, ainda, um balanço muito positivo das campanhas pedagógicas que o sindicato tem vindo a desenvolver nas obras de todo o país e que, sustentou, se traduziram, este ano, em menos 17 mortos no sector, para um total de 38.