Economia

Desemprego de longa duração aumentou 14,5%

Desemprego de longa duração aumentou 14,5%

Mais de 50% dos desempregados acima dos 40 anos aguardam trabalho há mais de um ano.

Há 235 200 desempregados de longa duração, um aumento homólogo de 14,5% no 2.º trimestre. Mais de metade dos desempregados acima dos 40 anos de idade não conseguem arranjar trabalho há mais de um ano.

De acordo com os dados (não publicados) do Instituto Nacional de Estatística (INE), há mais desempregados em faixas etárias inferiores - 121 400 até 39 anos contra 113 800 com mais de 40 anos -, mas a proporção (relativamente ao universo de cada grupo de idades) dos desempregados de longa duração é, em média, superior a 50% nas camadas etárias acima dos 45 anos e tem rondado a mesma percentagem nos maiores de 40 anos.

Se os dados mais recentes (2.º trimestre deste ano) mostram, por exemplo, que há 33 100 sem trabalho há mais de um ano na faixa dos 25-29 anos, a verdade é que esse número representa apenas 39,8% do universo de desempregados nessa mesma faixa etária (83 100). Olhando para os números apurados pelo INE nos segundos trimestres de 2007, 2008 e 2009, salta à vista o facto de os maiores de 40 anos e ainda mais os grupos etários superiores a 45 anos demorarem mais tempo a sair da situação de desemprego. A proporção de desempregados de longa duração é normalmente superior a 50% nas últimas quatro camadas etárias e sobe sempre que observamos o grupo etário superior. Por exemplo, no 2.º trimestre deste ano, a camada dos 55 e mais anos registava 33 100 desempregados de longa duração, 63,4% do universo de portugueses sem trabalho nessa faixa etária (independentemente de estarem há menos ou há mais de um ano sem trabalho). No grupo dos 40-44 anos, os números da proporcionalidade rondam sempre os 50% e são normalmente mais baixos nas quatro camadas etárias mais jovens ao longo dos três anos expostos na infografia composta por números fornecidos pelo INE e trabalhados pelo JN.

Da análise dos números ressalta ainda o incontornável crescimento do número absoluto de desempregados de longa duração com mais de 40 anos - os últimos dados, como já referido, apontam para a existência de 113 800 (juntando os últimos quatro grupos etários), isto é, mais 10 100 pessoas do que há dois anos (crescimento de 9,74% entre o 2.º trimestre de 2007 e igual período deste ano).

De acordo com um artigo do economista Pedro Portugal, publicado no Boletim Económico do Banco de Portugal (Inverno de 2008), há dois factores que influenciam decisivamente a proporção de desempregados de longa duração: a idade e a recepção de subsídio de desemprego. Usando então dados do INE de 2003, Pedro Portugal concluiu que 72,3% dos desempregados a receber subsídio e que tinham idade igual ou superior a 50 anos ficavam sem colocação pelo menos 12 meses e 43,5% durante 36 meses ou mais.

Na entrevista concedida ao JN, Pedro Portugal recorda o efeito "túnel do desemprego", isto é, a possibilidade oferecida pela Segurança Social aos desempregados de longa duração de anteciparem a sua reforma (DL n.º 220/2006).