Economia

Deutsche Bank negoceia perdão até 50% da dívida grega

Deutsche Bank negoceia perdão até 50% da dívida grega

O presidente do Deutsche Bank, Josef Ackermann, está a participar nas negociações para o perdão até 50% da dívida grega, de acordo com o diário alemão "Bild", citado pela EFE.

Segundo o jornal, que cita fontes não identificadas do governo alemão, a banca privada está disponível para aceitar um perdão até esse limite máximo, faltando apurar se a decisão pode ser fechada até ao final da semana.

Os países da zona euro pretendem ter pronto um pacote de soluções contra a crise das dívidas soberanas antes do Conselho Europeu do próximo dia 23 em Bruxelas, indicou no sábado o ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, à saída da reunião do G20 em Paris.

Os meios de comunicação alemães têm nos últimos dias vindo a admitir como facto irreversível a reestruturação da dívida grega, e um perdão consequente, que estimam entre os 50 e os 60% da dívida. A decisão terá um forte impacto nos credores e na situação dos bancos privados expostos à dívida pública grega.

Ackermann, que é também presidente da Associação Internacional da Banca (IIF), pronunciou-se na última quinta-feira contra a proposta defendida pelo presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, de recapitalização da banca europeia, considerando-a contraproducente, com o argumento de que seria um sinal claro de que se prepara a reestruturação da dívida grega.