Economia

Dívida das empresas públicas de transportes ascende a 16 800 milhões

Dívida das empresas públicas de transportes ascende a 16 800 milhões

A dívida total das empresas públicas do sector dos transportes ascendeu 16800 milhões de euros, um valor que triplicou nos últimos dez anos e que representa dez por cento do PIB, avançou hoje o Ministério da Economia.

"As empresas públicas do sector dos transportes encontram-se numa situação económica e financeira extremamente difícil com uma dívida total de 16 800 milhões de euros, valor que triplicou no espaço de apenas 10 anos, que tem sido em parte suportado pelos contribuintes e que representa já cerca de 10% do PIB [Produto Interno Bruto]", lê-se num comunicado.

O Ministério da Economia e do Emprego diz que a dívida acumulada das empresas públicas de transportes "traduz-se num montante anual de encargos com juros que, em 2010, ascendeu a 590 milhões de euros".

No mesmo ano, o prejuízo de todas as empresas atingiu os 940 milhões de euros, refere ainda.

O ministério liderado por Álvaro Santos Pereira afirma que "os actuais níveis de preços, que ao longo de muitos anos tiveram actualizações inferiores à inflação, estão hoje muito abaixo dos custos efectivamente incorridos pelas empresas na prestação do serviço público, gerando assim enormes desequilíbrios".

Estes desequilíbrios, acrescenta, "se não forem corrigidos, continuarão inevitavelmente a ser suportados por todos os contribuintes".

No comunicado, o ministério confirma que fixou em 15 por cento o aumento médio nos preços praticados para os títulos dos transportes rodoviários urbanos de Lisboa e do Porto, para os transportes ferroviários até 50 quilómetros e para os transportes fluviais.

O Governo fixou ainda em 2,7 por cento a percentagem máxima de aumento médio nos preços actualmente praticados para os títulos relativos aos transportes colectivos rodoviários interurbanos de passageiros até 50 quilómetros.

Os novos preços dos títulos de transporte podem ser aplicados pelos operadores a partir de 1 de Agosto.

O Governo vai também criar um título de transporte a preços reduzidos para agregados familiares de menores rendimentos, que estará em vigor a 1 de Setembro, de acordo com o despacho normativo enviado às empresas de transporte público.

Conteúdo Patrocinado