PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

O Jogo ao Vivo

Crise Financeira

Economista justifica crise por portugueses terem feito "vida de cigarra"

Economista justifica crise por portugueses terem feito "vida de cigarra"

O economista Vítor Bento considerou, esta quinta-feira, que a crise que o país atravessa deve-se ao facto dos portugueses terem adotado uma "vida de cigarra", em vez de uma "vida de formiga", quando Portugal entrou no euro.

"Nós entrámos no euro, só que pertencer ao euro obrigava-nos a ter uma determinada forma de vida de formiga e nós adoptamos uma forma de vida de cigarra", disse o conselheiro de Estado e professor de Economia, na conferência "Portalegre no século XXI: na Rota do Desenvolvimento", promovida pelo município local, Fundação Robinson e Instituto Politécnico de Portalegre (IPP).

"Achámos que entrar no euro era vida fácil, porque os primeiros anos de facto foram anos fáceis, nós convencemo-nos que o euro dava-nos vida fácil, com pouco trabalho e muito consumo, e bloqueamos a nossa capacidade de crescimento", sublinhou.

De acordo com Vítor Bento, outro dos factores que contribuiu para a crise económica foram os investimentos efectuados em Portugal ao longo dos últimos anos. "É uma ilusão muito grande neste país que investir em obras é o que faz crescer o país e todo o investimento que foi feito foi mal feito", defendeu. "Eu não ponho em causa se as obras foram úteis ou não, a única coisa que eu ponho em causa é que não geraram capacidade produtiva, não geraram potencial para gerar riqueza", explicou.

Para o presidente da SIBS, nesta altura, o "maior favor" que a União Europeia (UE) poderia fazer a Portugal seria "libertar" as verbas destinadas ao país para que as dívidas fossem liquidadas. "Neste momento, o maior favor que a UE nos podia fazer era primeiro libertar os fundos todos deixando de os afectar seja aquilo que for e deixá-los utilizar para pagar a dívida. Era o melhor serviço que nos podiam fazer", concluiu.