Japão

Ex-presidente da Nissan detido novamente por suspeita de desvio de dinheiro

Ex-presidente da Nissan detido novamente por suspeita de desvio de dinheiro

O ex-presidente da Nissan Motor Carlos Ghosn foi detido novamente por outra acusação contra si apresentada pelo Ministério Público de Tóquio, anunciou a televisão estatal japonesa NHR.

A NHK transmitiu imagens de uma carrinha a entrar no edifício do procurador de Tóquio, por volta das 07 horas (22 horas de quarta-feira em Portugal continental), na qual supostamente estava Ghosn, de acordo com a televisão pública.

A prisão foi confirmada por fontes da acusação a outros meios de comunicação locais.

De acordo com o jornal financeiro "Nikkei", foi o próprio Ghosn que se prontificou para ir ao gabinete do procurador, onde foi detido.

De acordo com versões das últimas horas, a nova acusação está ligada a uma série de fundos transferidos pela presidência da Nissan e Renault, que era liderada por Ghosn, para um distribuidor baseado em Omã.

Alguns desses fundos, de acordo com a imprensa japonesa e francesa, estavam destinados à compra de um iate e para cobrir os empréstimos pessoais de Ghosn.

Isso levou a que o MP levantasse um novo processo judicial contra Carlos Ghosn por abuso de confiança agravado, que se juntaria a outras três acusações formais, uma delas por ter escondido das autoridades as compensações milionárias acordadas com a Nissan Motor.

Ghosn foi preso pela primeira vez em 19 de novembro e foi libertado sob fiança, em 06 de março.

Segundo a NHK, é muito raro no Japão que uma pessoa seja detida novamente depois de ser libertada sob fiança.

Os novos passos da acusação são conhecidos depois de Ghosn ter anunciado que em 11 de abril iria dar a sua primeira conferência de imprensa depois de que foi libertado sob fiança.