Economia

França anuncia 100 mil milhões em cortes e impostos

França anuncia 100 mil milhões em cortes e impostos

O primeiro-ministro francês anunciou, esta segunda-feira, um plano de austeridade com medidas fiscais que atingem 100 mil milhões de euros, com o objectivo de conseguir equilibrar as contas públicas até 2016.

"Temos à nossa frente vários anos de esforço", disse François Fillon, citado pela agência AFP. "Para chegar ao défice zero até 2016, que é o nosso objectivo, será preciso economizar um pouco acima de 100 mil milhões de euros."

O propósito expresso destas medidas, que incluem aumentos de impostos e cortes na despesa pública, é garantir que a França manterá a sua notação AAA, a nota máxima atribuída pelas agências financeiras de "rating".

"Temos um objectivo: proteger o povo francês das graves dificuldades enfrentadas por vários países", afirmou Fillon. "'Incumprimento' já não é uma palavra abstracta".

Entre as medidas contempladas pelo Governo francês estão novos impostos sobre grandes empresas, aumentos no IVA de 5,5% para 7% (só os "bens de primeira necessidade" se manterão na taxa de 5,5%) e cortes nas despesas de saúde e segurança social.

O plano de austeridade prevê, ainda, a antecipação do aumento da idade da reforma, de 60 para 62 anos, em 2017 em vez de 2018 como previsto.

O Executivo francês optou, também, por não actualizar os escalões do IRS e do imposto especial sobre fortunas em 2012 e 2013 segundo a inflação, aumentando a base de incendência do imposto. A medida deverá angariar 1700 milhões de euros.

As medidas do Governo irão, ainda, afectar a classe política, de modo simbólico. Os salários do presidente da República, que pode chegar aos 19 mil euros por mês, e dos membros do Governo serão congelados até um "regresso ao equilíbrio rigoroso das finanças públicas", sublinhou Fillon.

O plano de austeridade foi anunciado na sequência da recente revisão em baixa, pelo Governo de Sarkozy, da previsão de crescimento do PIB da França para 2012, cortada de 1,75% para 1%.