PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Bancos

Governador do BdP não participa em decisões sobre auditoria da CGD

Governador do BdP não participa em decisões sobre auditoria da CGD

O governador do Banco de Portugal pediu para não participar nas decisões do banco central sobre a auditoria à CGD por ter sido administrador no período analisado, o que foi aceite pelo Conselho de Administração.

Num esclarecimento divulgado a propósito de notícias divulgadas pela revista "Sábado" e pelo "Jornal Económico", o governador diz que, entre abril de 2004 e setembro de 2006, foi administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) responsável pelas áreas de "marketing" e internacional da instituição e que "não teve responsabilidades nas áreas de crédito, risco, acompanhamento de clientes ou de controlo e auditoria interna".

Contudo, refere, uma vez que o seu mandato na CGD é também objeto de análise da auditoria da EY (que avalia a gestão entre 2000 e 2015) "comunicou ao Conselho de Administração do Banco de Portugal a sua intenção de não participar nas decisões decorrentes das conclusões desta auditoria", o que foi aceite.

Carlos Costa refere ainda que está "totalmente disponível" para prestar os esclarecimentos que o parlamento entenda necessários, "designadamente sobre os termos da sua participação nos órgãos colegiais que aprovaram as operações que são objeto da auditoria da EY à CGD".

Há duas semanas estalou uma nova polémica em torno da CGD devido à auditoria, encomendada pelo Governo em 2017, que revelou - para o período entre 2000 e 2015 - a concessão de créditos mal fundamentada, atribuição de bónus aos gestores com resultados negativos, interferência do Estado e aprovação de empréstimos com parecer desfavorável ou condicionado da direção de risco, com prejuízos significativos para o banco público.

A auditoria está agora a ser analisada pelo Banco de Portugal, para avaliar se foram cometidas contraordenações.

O esclarecimento divulgado esta sexta-feira diz ainda que "o Banco de Portugal está a considerar toda a informação contida na auditoria da EY à CGD e daí retirará as consequências que se imponham".

Já o Ministério Público está a avaliar se há crimes envolvidos, enquanto a CGD está a analisar os atos de gestão desse período para eventualmente colocar ações de responsabilidade civil sobre ex-gestores.

A revista "Sábado" noticiou esta semana que o Governador participou na aprovação de "créditos ruinosos a Berardo e Manuel Fino".

Segundo a revista, que consultou atas da CGD, Carlos Costa "esteve em pelo menos quatro reuniões do Conselho Alargado de Crédito nas quais foram aprovados empréstimos a devedores problemáticos".

O "Jornal Económico" publica que o governador "ficou de fora do exame que o próprio supervisor está a realizar aos antigos administradores da CGD, apesar de ter estado no banco público entre 2004 e 2006".