PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Fisco

Governo muda profissões que dão benefícios fiscais

Governo muda profissões que dão benefícios fiscais

As Finanças fizeram uma "revisão profunda" à lista de atividades profissionais que serve de referência ao regime fiscal dos residentes não habituais.

Na nova tabela mantêm-se categorias profissionais como médicos, engenheiros, professores do ensino universitário ou especialistas em tecnologias de informação e comunicação.

No entanto, desapareceram outras como psicólogos, designers, geólogos ou arqueólogos.

Entre as novas necessidades surgem atividades como diretores de hotelaria, restauração, comércio e de outros serviços, agricultores e trabalhadores qualificados da agricultura e produção animal, trabalhadores qualificados da floresta, pesca e caça ou operadores de instalações e máquinas e trabalhadores da montagem.

Os residentes não habituais que exerçam as profissões indicadas têm direito a benefícios no IRS.

Segundo a portaria ontem publicada, a primeira lista, de 2010, era baseada, "ainda que sem correspondência direta", nos códigos das atividades económicas, ou CAE. As Finanças deixaram agora cair esse modelo e passam a adotar "um modelo assente, com correspondência direta, em códigos da Classificação Portuguesa de Profissões (CPP)".

No texto do diploma lê-se que "a situação económica de Portugal sofreu uma relevante mutação desde a publicação da referida tabela de atividades, existindo uma transformação significativa das dinâmicas de criação de emprego".

As Finanças justificam ainda a mudança com as "dificuldades" encontradas pelos empregadores de vários setores "na contratação de trabalhadores com perfis de competências e qualificações diversificados".

O ministério tutelado por Mário Centeno alega que a mudança permite "o esclarecimento mais imediato de dúvidas interpretativas relativamente ao âmbito e alcance de cada uma das atividades constantes da tabela.

CONTEXTO

Entrada em vigor

A nova lista é válida a partir de 1 de janeiro de 2020 e, "em função da avaliação da evolução da situação económica do país (...), poderá ser revista no prazo de três anos".

Objetivo

O estatuto do residente não habitual foi criado em 2009 para "promover a crescente projeção de Portugal no cenário mundial".

Custos

Em 2017, o estatuto do residente não habitual custou ao Estado português quase 600 milhões de euros em impostos.