Aviação

Greve de pilotos da SAS cancela 673 voos e afeta 72 mil passageiros

Greve de pilotos da SAS cancela 673 voos e afeta 72 mil passageiros

A companhia aérea escandinava SAS anunciou que foram cancelados 673 voos devido a uma greve de pilotos na Dinamarca, Suécia e Noruega, o que afeta cerca de 72 mil passageiros.

A paralisação, que acontece depois do fim das negociações entre a empresa e os trabalhadores, não inclui os voos operados pela sua filial irlandesa e por companhias aéreas associadas, que representam cerca de 30% do total, adiantou a operadora.

Em causa está a negociação de um novo acordo coletivo de trabalho, que decorria desde março, em que não foi possível chegar a acordo sobre salários, horários de trabalho e recurso a pilotos externos.

O sindicato de pilotos da SAS (SPG), que representa 95% do total da empresa, tinha ameaçado convocar uma greve a partir da meia-noite caso não se alcançasse um acordo.

As negociações, que se realizaram de forma paralela nos três países com apoio de mediadores externos, prolongaram-se até de madrugada, mas acabaram com o seu rompimento.

O sindicato sueco foi o primeiro a anunciar a greve e logo se seguiram os seus congéneres norueguês e dinamarquês.

"A SAS quer continuar as negociações e alcançar um acordo para terminar a greve o mais rápido possível", afirmou a companhia aérea em comunicado.

A operadora escandinava tinha oferecido aos passageiros com reservas de viagens para esta sexta-feira a possibilidade de trocar as datas de forma gratuita perante a eventualidade de uma paralisação.

A SAS transportou um número recorde de mais de 30 milhões de passageiros no seu último ano fiscal (entre novembro de 2017 e outubro de 2018), período no qual apresentou um resultado líquido de 1.598 milhões de coroas suecas (155 milhões de euros, à taxa de câmbio atual), um aumento de 38%.