PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

greve

Greves na CP vão continuar

Greves na CP vão continuar

As greves na CP mantêm-se porque os sindicatos ficaram insatisfeitos com o resultado da reunião desta terça-feira com o ministro da tutela, que optou por pedir uma avaliação do regime de trabalho dos ferroviários à Inspecção das Finanças.

As greves na CP mantêm-se porque os sindicatos ficaram insatisfeitos com o resultado da reunião desta terça-feira com o ministro da tutela, que optou por pedir uma avaliação do regime de trabalho dos ferroviários à Inspecção das Finanças.

"A reunião de hoje com o presidente da CP EPE, com o ministro e o secretário de Estado dos Transportes foi inconclusiva quanto ao objectivo fundamental que é a aplicação do Acordo de Empresa", disse à agência Lusa, António Medeiros, presidente do Sindicato dos Maquinistas (SMAQ).

António Medeiros criticou o facto de o presidente da CP ter defendido no encontro a necessidade de uma inspecção por parte das Finanças, já depois do Ministério das Finanças ter transmitido o entendimento e autorização para que a empresa aplique os regimes de trabalho mais favoráveis, os que estão previstos no Acordo de Empresa, com prejuízo do Regime da Função Pública, conforme o que foi acordado com os sindicatos a 21 de Abril.

"Assim, o calendário de greves vai continuar", disse o sindicalista, referindo que o SMAQ continua disponível para a negociação.

O Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI) também optou por manter as greves em curso e responsabilizou o ministro da tutela, António Mendonça, e o presidente da CP pela continuidade do conflito, que se arrasta desde Fevereiro.

"O senhor ministro António Mendonça confirmou a recepção da autorização do Ministério das Finanças no que toca aos fundamentos do acordo subscrito com o sindicato em 21 de Abril, mas não a quer assumir sem uma outra confirmação, agora da inspecção das finanças", afirmou o sindicato num comunicado emitido após a reunião entre sindicatos, empresa e Governo.

O SFRCI considerou que a tutela e o presidente da CP estão a declinar as suas responsabilidades num inspector das finanças.

Para a CP o encontro desta terça-feira com a tutela representou "um avanço no processo", dado que o Governo informou que vai determinar uma análise da proposta entregue a 21 de Abril para posterior validação, ou não.

Na opinião da empresa "as greves em curso não levam a lado nenhum, a não ser ao agravamento dos prejuízos", disse à Lusa a porta-voz da CP.