PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Há mais impostos além do aumento do IRS para 2013

Há mais impostos além do aumento do IRS para 2013

Os portugueses vão ter em 2013 o maior aumento de sempre do IRS. Além da redução dos escalões, o Governo vai avançar com uma sobretaxa de 4%. No final das contas, o esforço será equivalente a 1 salário. Mas outros impostos e medidas vão mexer ainda mais no bolso dos portugueses. Saiba como.

Em 2013 o rendimento disponível mensal dos portugueses vai novamente encolher e deverá, em média, cair o equivalente a um salário, só através da alteração no IRS. Mas nãos e fica por aqui a mão do Fisco no bolso dos portugueses.

1. Sobe o IRS, diminuem os escalões

O Governo vai eliminar três escalões no IRS, fazendo com que passem a existir apenas cinco. A fatura deste imposto deverá subir cerca de três pontos percentuais.

2. IRS a dobrar com sobretaxa de 4%

Os rendimentos de 2013 vão ser sujeitos a uma sobretaxa de 4%, semelhante à aplicada em 2011 no subsídio de Natal. O Governo repete o esquema, mas, em vez de 3,5%, a taxa adicional será de 4% e vem somar-se ao agravamento devido à redução dos escalões.

3. IRS a triplicar com taxa de solidariedade

Quem está no último escalão irá continuar a pagar uma taxa de solidariedade de 2,5%. Na prática, o IRS aqui sobe de 49% para 54%.

4. IMI aumenta sem teto

O Governo vai eliminar a cláusula de salvaguarda do IMI que limitava as subidas deste imposto em 75 euros, em 2013. No final deste ano, deverá ficar concluída a avaliação geral dos 5,2 milhões de imóveis que não foram transacionados depois de janeiro 2004.

5. Tabaco aumenta

O Governo decidiu aceitar a sugestão da Confederação Empresarial de Portugal e aprovar um aumento do imposto sobre o tabaco. A CIP tinha proposto uma subida em 30%.

6. Taxa sobre as transações financeiras

Avança um novo imposto sobre as transações financeiras e capital. As taxas sobre transações financeiras foram apresentadas em Bruxelas e Portugal foi um dos países que apoiaram. Vítor Gaspar destacou o facto de em França o imposto ter rendido entre 350 e 500 milhões de euros. Em Portugal, os "montantes seriam muito menores que estes valores".

7. Empresas vão pagar mais em IRC

Em 2013, o Governo vai baixar a fasquia a partir da qual as empresas pagam a taxa máxima de derrama. Até agora, este patamar começava nos 10 milhões de euros, baixando agora 7,5 milhões. Ao mesmo tempo serão reduzidos os descontos concedidos a empresas que contraíam dívida.