PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Idade da reforma aumenta três anos até 2070, prevê Banco de Portugal

Idade da reforma aumenta três anos até 2070, prevê Banco de Portugal

O Banco de Portugal estima que a idade da reforma deve aumentar três anos até 2070 e sublinha que "a estabilização e transparência" do enquadramento legal "será crucial" para os indivíduos tomarem decisões informadas de consumo e poupança.

"Admitindo a manutenção das regras em vigor, e recorrendo às projeções demográficas do Eurostat (EUROPOP2015), nomeadamente para a evolução dos ganhos de esperança média de vida aos 65 anos para Portugal, é possível projetar a tendência para a evolução futura da idade de passagem à reforma", indica o Banco de Portugal (BdP) no Boletim Económico de junho, hoje divulgado.

A instituição liderada por Carlos Costa antecipa que, "com base nestas hipóteses, os cerca de cinco anos de ganhos médios de longevidade projetados entre 2018 e 2070 traduzem-se num aumento da idade normal de reforma de três anos nesse horizonte".

No tema em destaque do Boletim Económico de junho, intitulado "As alterações demográficas e a oferta de trabalho em Portugal", o banco central recorda que para 2019 e 2020 a idade normal de acesso à pensão de velhice está definida em 66 anos e cinco meses.

No boletim hoje divulgado, o BdP salienta que "a estabilização e transparência do enquadramento legal dos sistemas de pensões será crucial para os indivíduos tomarem as suas decisões de consumo e poupança de forma informada, com vista a assegurarem um rendimento adequado após a passagem à reforma".

A instituição indica que, "conjugando as tendências demográficas com as projeções da Comissão Europeia para as taxas de atividade, prevê-se no longo prazo uma diminuição da população ativa (dos 15 aos 64 anos) muito acentuada em Portugal, não obstante a trajetória de aumento da taxa de atividade acima da média da União Europeia nas próximas duas décadas".

Para o banco central, o aumento previsto para a taxa de atividade em Portugal resulta, sobretudo, da convergência da taxa de atividade das mulheres para a dos homens durante aquele horizonte temporal, sendo que, no caso dos homens, as previsões apontam para uma relativa estabilização.

O BdP indica ainda que a convergência está projetada para os vários escalões etários, mas de forma mais acentuada no escalão acima dos 55 anos.

O banco central salienta que a redução e envelhecimento da população residente limitam o potencial de crescimento da oferta de trabalho e acrescenta que, "no curto prazo, as limitações na oferta de trabalho e a dinâmica da procura são suscetíveis de aumentar a pressão sobre os salários".

O BdP recorda também que os dois últimos anos testemunharam uma aceleração dos salários em Portugal, com as remunerações por trabalhador no conjunto da economia a crescerem 1,6% em 2017 e 2,2% em 2018.

Mas, a instituição liderada por Carlos Costa adianta que a tendência de envelhecimento e o aumento do nível médio das qualificações são duas características da população ativa que operam em sentidos inversos para explicar evoluções futuras do produto em Portugal.