PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

O Jogo ao Vivo

Economia

Investidor George Soros culpa Merkel pela crise na Europa

Investidor George Soros culpa Merkel pela crise na Europa

O investidor norte-americano George Soros atribuiu as culpas da escalada da crise na zona euro ao Governo alemão e à chanceler Ângela Merkel, num artigo publicado na Imprensa.

"Foram as hesitações alemãs que reforçaram a crise na Grécia e conduziram ao contágio que se transformou numa crise existencial para a Europa", escreveu o gestor financeiro no matutino de economia "Handelsblatt".

Na opinião de Soros, "foi um erro não atribuir o papel de fiador em casos de incumprimento não à União Europeia, mas as respectivos países".

Agora, o Governo alemão "tem particulares responsabilidades, porque só a Alemanha pode inverter a dinâmica do desmoronamento da Europa", afirma ainda o investidor norte-americano.

Soros critica ainda directamente a chanceler alemã Ângela Merkel, advertindo que "a sua política de pequenos passos é demasiado lenta, e a situação é cada vez mais insustentável".

Para Soros, a actual estratégia traçada pelos líderes da zona euro de atribuir empréstimos à Grécia através de um fundo de resgate criado com garantias dos outros Estados da moeda única "é insustentável e obriga a Itália e a Espanha a pagar juros mais altos pelas suas obrigações da dívida pública do os juros que recebem pelos apoios à Grécia".

O investidor, que ficou famoso por em tempos ter feito tremer o Banco de Inglaterra, com manobras especulativas na bolsa, advertiu ainda contra uma eventual baixa do "rating" da França, prevendo que o próximo passo da zona euro será o aumento da dotação do fundo de resgate.

"Mas até lá a nota AAA da França pode estar em risco", afirma Soros, defendendo, por sua vez, a introdução de eurobonds, títulos da dívida pública suportados em conjunto pelos países da moeda única.

Esta solução, que permitiria obter empréstimos a juros mais baixos nos mercados financeiros, tem sido recusada, no entanto, pela Alemanha e pela Holanda, Nomeadamente.

Na opinião de Soros, porém, se Berlim e os outros países da moeda única que têm "rating" AAA, a nota máxima, continuarem a opor-se aos eurobonds, "o euro desmoronar-se-á".

Após a cimeira de líderes da zona euro ter aprovado novo pacote de ajudas à Grécia e o alargamento do âmbito do fundo de resgate, há três semanas, em Bruxelas, as turbulências regressaram aos mercados financeiros, que começaram também a pressionar as dívidas da Espanha e da Itália, obrigando o Banco Central Europeu a intervir, comprando títulos destes países.

A chanceler Angela Merkel e o Presidente francês Nicolas Sarkozy anunciaram, entretanto, que se vão reunir na terça feira, em Paris, para debater a situação na zona euro, e fazer propostas concretas para combater a actual crise.