Aviação

Japan Airlines investe 8,5 milhões em avião supersónico

Japan Airlines investe 8,5 milhões em avião supersónico

A companhia aérea Japan Airlines (JAL) anunciou um investimento de 10 milhões de dólares (8,5 milhões de euros) na empresa norte-americana Boom, que está a desenvolver um avião supersónico de nova geração para uso comercial.

Além do contributo financeiro, "a JAL vai oferecer o seu conhecimento e experiência como transportadora aérea para apoiar a Boom no desenvolvimento do avião", o Boom Supersonic, explicou a empresa japonesa, que pode adquirir 20 das aeronaves por via de um acordo de reserva.

O Boom Supersonic, que se prevê que comece a operar em meados da década de 2020, "voa a Mach 2,2 [2,2 vezes a velocidade do som ou 2695 quilómetros por hora] e reduzirá os tempos de voo para metade", sublinhou a JAL, em comunicado.

"Temos estado a trabalhar com a Japan Airlines nos bastidores há mais de um ano", afirmou, por seu lado, o fundador e conselheiro delegado da Boom, Blake Scholl.

"O nosso objetivo é desenvolver um avião que seja uma grande incorporação para a frota de qualquer companhia aérea internacional", sublinhou, também em comunicado.

Com este investimento, a JAL procura "contribuir para o futuro das viagens supersónicas", com a intenção de oferecer mais tempo aos passageiros sem esquecer a importância da segurança do voo, disse, o presidente da transportadora aérea japonesa, Yoshiharu Ueki.

Os voos supersónicos comerciais foram cancelados quando as companhias aéreas Britis Airways e Air France deixaram de operar, em 2003, o Concorde, um avião capaz de viajar até 2180 quilómetros por hora, uma velocidade mais de duas vezes superior à do som.

A rentabilidade do mítico aparelho, conhecido como o "Pássaro Branco", que conta com legiões de seguidores em todo o mundo, ficou comprometida após o acidente de um Concorde em Paris, em 2000, que fez 113 mortos.