Aviação

Madeira estuda com ANA alternativa do aeroporto do Porto Santo

Madeira estuda com ANA alternativa do aeroporto do Porto Santo

O Governo da Madeira anunciou que está a tratar com a ANA - Aeroportos de Portugal a possibilidade de utilização alternativa do aeroporto do Porto Santo quando o da Madeira está condicionado.

"Neste momento temos em discussão três assuntos com a ANA. Já estamos a trabalhar na concretização destes assuntos importantíssimos", disse Miguel Albuquerque aos jornalistas no Funchal.

O governante madeirense apontou como uma "questão prioritária" para a Região a da "operacionalidade do Porto Santo como destino privilegiado de transição quando o Aeroporto da Madeira está encerrado ou tem dificuldades de operação".

O chefe do executivo insular considerou que este é um trabalho que "não é muto difícil".

"Vou dar um exemplo: desembarcam três ou quatro aviões no Porto Santo e querem vir para a Madeira, precisamos ter transporte para o navio Lobo Marinho [que assegura a ligação marítima entre as ilhas] e não temos um número de transportes públicos e táxis suficientes para o efeito", apontou.

Miguel Albuquerque referiu que outro problema a contornar é o do abastecimento, porque é "fundamental ter viveres, alimento e bebidas para fazer face a essas necessidades excecionais", anunciando que a equipa do Turismo da Madeira já tem uma reunião agendada para tratar deste assunto.

Outro assunto que está a ser negociado com a ANA é a importância de uma operação dos Estados Unidos da América, mencionou, opinando que a Região precisa "ter um destino alternativo para fazer face a qualquer quebra dos mercados tradicionais, como a Alemanha e Reino Unido", retomando "a operação direta para a Madeira".

"Quer o mercado norte-americano como o canadiano são muito bons para a Madeira e vamos trabalhar com a ANA, que está recetiva a esta solução", assegurou, realçando ser necessário avaliar a situação de forma articulada com os principais grupos hoteleiros do arquipélago.

O responsável madeirense argumentou que é preciso "ter camas, encher os aviões e isso obriga a um trabalho" a ser feito com a ANA, os grupos hoteleiros e o turismo.

Outro tema em discussão é a questão da importância da "recomposição e reforço dos voos da Alemanha e Reino Unido" na sequência da falência de várias companhias aéreas como a Monarch, Air Berlim e Niki Lauda.

O presidente do governo madeirense entregou esta quinta-feira cinco ambulâncias a cinco corporações de bombeiros, nomeadamente Santana, Santa Cruz, Machico, Voluntários Madeirenses e Sapadores do Funchal, que tiveram um custo unitário de 50 mil euros.

A agenda do governante da Madeira inclui também visitas ao Pólo Comunitário da Torre, em Machico, à Santa Casa da Misericórdia de Machico e apresenta cumprimentos de Boas Festas aos funcionários da Administração dos Portos da Madeira (APRAM), na gare marítima do Funchal.

ver mais vídeos