Uber

Taxistas ameaçam não sair da AR até serem recebidos pelo Governo

Taxistas ameaçam não sair da AR até serem recebidos pelo Governo

Os dirigentes das associações de táxis que se reuniram esta tarde com o presidente da comissão de Economia ameaçaram não abandonar o Parlamento até serem recebidos pela Governo.

"Será essa a proposta [não abandonar o protesto] que vamos discutir com os nossos colegas até chegar um membro do Governo que responda às nossas preocupações", disse Carlos Ramos, da FPT - Federação Portuguesa do Táxi, que falava aos jornalistas no interior do parlamento depois de ter sido recebido por Hélder Amaral, deputado do CDS-PP que preside à comissão parlamentar de Economia.

Em causa está o protesto do setor do táxi contra a plataforma Uber, e no encontro esteve também a vice-presidente da comissão Hortense Martins, do PS, e a chefe de gabinete do Presidente da Assembleia da República, Maria José Ribeiro.

Pela ANTRAL - Associação Nacional dos Transportadores Rodoviários, Florêncio Almeida definiu como "inaceitável" a manutenção da Uber, visto a empresa estar, advoga, "proibida pelos tribunais de funcionar em Portugal".

"Da nossa parte não aceitamos que isto possa continuar", prosseguiu o responsável.

Esta sexta-feira, milhares de taxistas manifestaram-se contra a Uber em Lisboa, Porto e Faro. A marcha lenta, em Lisboa, terminou na Assembleia da República, onde a manifestação começou a chegar às 13.50 horas.

No Porto, os protestos desaguaram na Câmara Municipal, para uma audiência com o presidente da autarquia, Rui Moreira, que se terá mostrado solidário com a classe.

Os taxistas em protesto contra a Uber, no Porto, chegaram à Câmara Municipal cerca das 12.15 horas, após cerca de três horas em marcha lenta pela cidade, com partida do Castelo do Queijo.

Em Lisboa, os taxistas também foram recebidos pela Presidente da Câmara, Fernando Medina, cerca das 12.30 horas. Enquanto a delegação de representantes dos taxistas era recebida pelo autarca, na rua ouvia-se "Grândola Vila Morena", o hino nacional e muitas palmas.

No final da audiência, que terminou às 13.15 horas, os dirigentes garantiram ter saído com a convicção de que o presidente da Câmara concorda que é preciso travar a forma ilegal como a Uber desenvolve a sua atividade.

"O senhor presidente está solidário com a nossa luta e, por isso, saímos mais moralizados com as suas palavras", disse Florência Almeida, da ANTRAL.

Carlos Ramos, presidente da Federação do Táxi, acrescentou: "O presidente comprometeu-se a transmitir as nossas posições junto do ministro."

Segundo a organização, estiveram cerca de cinco mil taxistas em protesto na capital e a fila de táxis chegou a ter uma extensão de cerca de seis quilómetros.

Em Lisboa, os taxistas começaram a concentração junto ao Campus da Justiça cerca das 7 horas da manhã, tendo saído para a estrada pouco após as 9 horas.

Os taxistas lisboetas chegaram ao aeroporto da Portela às 10.20 horas. Em marcha lenta, demoraram uma hora a percorrer os três quilómetros entre o Parque das Nações e a aerogare.

A chegada à Portela foi assinalada com um buzinão, entre palavras de ordem gritadas ao megafone. O slogan "Uber ilegal é roubo nacional" foi omnipresente. Cerca de 300 táxis que estavam no aeroporto juntaram-se à manifestação, que teve como destino final a Assembleia da República.

A organização do protesto revelou algum descontentamento com a paragem longa no aeroporto. "Isto está a dar a ideia que estamos a fazer um bloqueio ao aeroporto, o que não é a nossa intenção de maneira nenhuma ", adiantou ao JN Vitor Cardinal, dirigente da ANTRAL .

"A intenção não é criar bloqueios à cidade", disse aquele responsável. "Não queremos ficar mal vistos", assegurou. Cerca das 10.30, junto à Rotunda do Relógio, uma coluna de mais algumas centenas de taxistas, proveniente da Segunda Circular, juntou-se à caravana, que seguiu, depois, para o centro da cidade.

Na capital, a manifestação causou maiores constrangimentos a quem queria sair do aeroporto - uma vez que o metro se encontrava sobrelotado e não havia transporte alternativo - e a quem circulava na zona do Parque das Nações e na avenida de Berlim.

Nas ruas de Lisboa esteve um efetivo policial equivalente ao mobilizado para um Benfica-Sporting. A PSP destacou "várias centenas de efetivos" para acompanhar este protesto, explicou ao JN o subcomissário Hugo Abreu, das Relações Públicas do Comando Metropolitano da PSP de Lisboa.

Ainda antes das 9 horas, o PCP, representado pelo deputado Bruno Dias, juntou-se à concentração dos taxistas no Parque das Nações, num ato de solidariedade.

Nas conversas informais com alguns profissionais, o JN registou as queixas habituais contra a Uber, com todos a exigirem que o Governo faça cumprir a lei e corte o sinal da aplicação da Uber.

Em Faro, cerca de 300 táxis concentraram-se e no aeroporto de Faro. Apesar de a Uber estar pouco presente no Algarve, os taxistas protestam contra o transporte feito por carrinhas, muitas vezes de forma ilegal.

A Uber avisou, na sua plataforma, que devido ao protesto dos taxistas era possível que houvesse menos carros disponíveis e um aumento substancial de pedidos do seu serviço.

* com Augusto Correia

ver mais vídeos