Toyota

Novo RAV4: Mais potência com menores consumos

Novo RAV4: Mais potência com menores consumos

A quinta geração do Toyota RAV4, apresentada em Castelo de Paiva, tendo o Douro como pano de fundo, volta a deixar a concorrência em alerta no cada vez mais competitivo segmento dos SUV. Apenas disponível em versão híbrida de tração dianteira e, a partir de abril, também com tração às quatro rodas, o novo RAV4 foi revisto de uma ponta à outra.

O RAV4 utiliza novo motor 2.5 l a gasolina, sistema híbrido mais eficiente, uma nova plataforma (a TNGA- Toyota New Global Architecture), carroçaria redesenhada de uma forma feliz, com ênfase no ar robusto, mais espaço a bordo e conteúdos de segurança. Até a denominação evoluiu. De Recreational Activity Vehicle (Veículo de Atividades Recreativas, em tradução livre) passou a ser Robust Accurate Vehicle (Veículo Robusto e Preciso).
Se as qualidades da anterior geração lhe valeram ser, no ano passado, o SUV mais vendido do Mundo e o terceiro veículo mais vendido do planeta, as melhorias de que foi alvo indicam que este RAV4 vai no mesmo caminho.

Mais leve, mais potente, mais baixo e, paradoxalmente, com uma maior altura ao solo, a quinta geração do popular modelo da Toyota surge com argumentos para renovar os galardões. A começar pela apelativa estética, pela posição de condução mais baixa, menos "SUV", pela distribuição de pesos quase ao nível de um desportivo (51/49%), um centro de gravidade colocado também mais baixo, novas suspensões e afinação da direção.

Se a descrição técnica pode parecer fastidiosa, a verdade é que ao volante nota-se um SUV mais seguro, mais confortável, sem adornamento da carroçaria e, graças à TGNA, mais espaçoso, nomeadamente no espaço disponibilizado para os três passageiros do banco de trás e na bagageira (580 litros de capacidade).

A Toyota aproveitou para rever aspetos como a visibilidade, com os pilares dianteiros mais finos, os retrovisores colocados nas portas e a redução do ângulo morto através de nova configuração dos vidros traseiros.

Na versão Lounge, o retrovisor interior é digital. Denominado "Smart View", recorre a uma câmara de vídeo traseira que permite, inclusivamente, fazer zoom. Útil, por exemplo, em condições de baixa luminosidade, quando enchemos a bagageira até ao tejadilho ou transportamos um objeto mais volumoso.

Novo motor

A Toyota destaca que o motor, mantendo a cilindrada, é completamente novo, sendo mais leve, juntando injeção direta e indireta, com um nível de sofisticação que lhe permite ter uma eficiência térmica recorde de 40%, que o mesmo é dizer consumos baixos, apesar de a potência combinada ter aumentado para os 218 cavalos (222 na versão de tração total, denominada AWD-i).

A AWD-i recorre a um motor elétrico para mover as rodas traseiras, que podem receber até 80% da potência receber até 80% do binário. Permite algumas incursões fora do asfalto carregando na tecla Trail e permite, por exemplo, travar uma roda que esteja "atascada", distribuindo o binário pelas restantes.

Melhorias, igualmente, no sistema de infoentretenimento, com um monitor tátil de sete polegadas (4,2" na versão Active), mais rápido e com maior resolução, e no equipamento de segurança, com Sistema de Pré-Colisão com deteção diurna de peões e ciclistas e deteção noturna de peões, Cruise Control Adaptativo com função "full stop" e inteligente, reconhecendo os limites de velocidade e alertando o condutor e assistência de Condução Inteligente.

Em estrada

Num breve contacto com o novo RAV4, que meteu duas incursões em terra, destaque para o comportamento dinâmico, graças à rigidez da carroçaria - aumentada em 57% em relação à geração anterior - à precisão da direção eletricamente assistida, suspensão traseira multilink e a vias mais largas.

Tem um pisar firme, uma boa potência de travagem e assegura o bem estar a bordo com menor ruído, conseguido graças a diversas melhorias aerodinâmica e novos materiais de isolamento. E chegámos ao final do teste, em que andamos a ritmos nem sempre de passeio, com uma média de 6,3 l/100km.

A gama é constituída por dois tipos de tração (a AWD-i só chega em abril e paga Classe 2) e cinco níveis de equipamento (Active, Comfort, Square Collection, Exclusive e Lounge). Os preços começam nos 38.790 euros e vão até aos 49.500 euros nas versões de tração dianteira e vão dos 44.590 aos 52.790 euros na AWD-i.