privatização

Novos donos da TAP vendem aviões para financiar negócio

Novos donos da TAP vendem aviões para financiar negócio

O agrupamento Gateway propõe-se vender aviões da TAP, que depois alugará para esta poder continuar a voar, como forma de injetar "cem milhões de euros ou possivelmente mais", nos 90 dias seguintes à privatização.

A venda de aviões é uma medida que consta da proposta vencedora do processo de privatização da TAP, a que o JN teve acesso. Como anunciou o Governo, o consórcio Gateway, do norte-americano David Neeleman e Humberto Pedrosa (do grupo Barraqueiro), promete injetar um total de novos fundos de 337,5 milhões de euros, mas, adicionalmente, também se propõe capitalizar a empresa através da venda de ativos atuais da TAP, como os aviões, ou por via de fontes de financiamento que a companhia atualmente já tem ao seu dispor.

"Acreditamos que seremos capazes de obter uma liquidez adicional de cem milhões de euros ou possivelmente mais até 90 dias após a data do fecho através de refinanciamento hipotecário das aeronaves e/ou sale e leaseback", preconiza o Gateway, numa proposta que, em traços gerais, consiste na venda e posterior aluguer de aviões.

Ler mais na versão e-paper ou na edição impressa

Imobusiness