PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Patrões esperam aumentar salário mínimo em janeiro

Patrões esperam aumentar salário mínimo em janeiro

A Confederação Empresarial Portuguesa - CIP considera que em janeiro de 2014 já haverá condições para aumentar o salário mínimo para um valor acordo com todos os parceiros sociais, em resposta à CGTP, que quer um aumento imediato para 515 euros.

"Estou convencido de que chegaremos ao final de 2013 com condições para, em janeiro de 2014, se poder aumentar o salário mínimo com base no valor que vier a ser encontrado por todos os parceiros", disse o presidente da CIP, António Saraiva, aos jornalistas no final do encontro, em Lisboa.

A central sindical e a CIP estiveram reunidas no âmbito da preparação de uma posição consensual sobre o salário mínimo nacional para apresentar ao Governo em concertação social.

A CGTP enviou um projeto de documento sobre a atualização do Salário Mínimo Nacional (SMN), as portarias de extensão e a contratação coletiva. No texto, a que a agência Lusa teve acesso, a Intersindical faz uma análise da situação económica e social, defende algumas medidas para promover o crescimento económico e apresenta uma posição para ser subscrita por si própria e pela CIP, para ser posteriormente entregue ao Governo.

Além da reivindicação do aumento do SMN com efeitos a janeiro, a CGTP propõe que ambos os subscritores não negoceiem em contratação coletiva valores salariais abaixo dos 515 euros e que a CIP recomende aos seus associados que não pratiquem valores inferiores.

No final do encontro, o secretário-geral da central sindical, Arménio Carlos, disse aos jornalistas que considera existirem condições para atualizar o SMN até aos 515 euros já este ano e com efeitos retroativos a janeiro, referindo no entanto "estar disponível" para fazer algum "ajustamento" em relação ao momento em que tal acontecerá.

"Estamos a falar objetivamente de um euro de aumento", sublinhou o sindicalista.

Para segunda-feira, de manhã, está previsto idêntico encontro com a Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, que, entretanto, convidou a UGT para uma reunião com o mesmo objetivo, que se realiza na tarde de 1 de abril.

Na manhã do mesmo dia a UGT encontra-se com a CIP. Estes encontros bilaterais realizam-se depois de vários debates em sede de Concertação Social, sem resultados objetivos, sobre os mesmos temas.