PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

Portugal apresenta pior nível salarial dentro da Zona Euro

Portugal apresenta pior nível salarial dentro da Zona Euro

Portugal tem o pior nível salarial no conjunto dos países da OCDE que integram a Zona Euro. São 1388€ de remuneração bruta mensal. A carga fiscal representa 37,2% dos custos totais suportados pelo empregador e empregado, a 17.ª mais alta num total de 30 países.

De acordo com o relatório "Taxing Wages 2008-2009", ontem divulgado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), a carga fiscal ficou praticamente inalterada: aliviou 0,07 pontos percentuais de 2008 para o ano passado.

Um casal que tenha duas crianças e um dos elementos ganhe o salário médio bruto (1388€ x 12 =16 657€ anuais, uma vez que a OCDE neste indicador refere-se à média ponderada de 12 meses) e o outro apenas 33% (458€), terá uma carga fiscal de 28,4% do custo total inerente à criação dos respectivos postos de trabalho (28,8% em 2008), isto quando se tem em conta os impostos sobre os salários, contribuições para a Segurança Social (do empregador e do empregado) e descontando os subsídios dados pelo Estado português (abono de família é um exemplo). Esse mesmo casal tem uma carga fiscal de 3,6% (3,7% em 2008) só sobre o salário, se a referência para esta taxa for a percentagem da remuneração bruta auferida e não o custo total do posto de trabalho.

A OCDE faz uma análise mais fina país a país e revela alguns dados interessantes. Partindo do exemplo de um casal com dois filhos, em que um dos elementos ganha precisamente o salário médio nacional (1388€) e o outro 67% do mesmo (930€), a remuneração bruta anual ascende a 27 761€. Neste caso concreto, os subsídios do Estado totalizam 7776€ por ano e os benefícios fiscais 855€. Este casal pagará 5147€ de impostos (à Segurança Social, IMI, IRS, entre outros) por ano, sendo a sua carga fiscal específica de 32,5%. Contas feitas, esta família leva efectivamente para casa 23 201€, isto é, 1934€ por mês e não os 2313€ brutos (OCDE multiplica ganhos sempre por 12 parcelas para encontrar valor anual). O que ficou pelo caminho? Os impostos pagos ao Fisco e Segurança Social, efeito apenas amenizado pelos subsídios que o Estado concede.

Usando os mesmos pressupostos relativamente ao salário médio, um casal com dois filhos em Espanha terá uma carga fiscal de 34,8%, mas a verdade é que os salários são superiores (1995€/mês é a média espanhola). Na prática, um casal espanhol com aquele perfil leva para casa 33 795€ por ano (2816€ mensais).

Ser solteiro e não ter filhos não compensa em Portugal, uma vez que a carga fiscal é de 37,2% para quem ganha o salário médio. No entanto, se for solteiro e tiver dois filhos, então a carga fiscal desce logo para 20,8%.