Economia

Produtores de leite e carne marcham em Braga a exigir retoma do sistema de quotas

Produtores de leite e carne marcham em Braga a exigir retoma do sistema de quotas

Cerca de três centenas de produtores de leite e carne estão a marchar pelas ruas de Braga numa "ação de sensibilização", exigindo a "volta do sistema de quotas" na produção e apelando à população que consuma produto nacional.

Em declarações à Lusa, no início da concentração, o dirigente da Associação Nacional de Produtores de Leite e de Carne Jorge Lobato alertou para o risco de "muita gente" fechar as suas explorações caso não sejam tomadas medidas para "salvar" a produção nacional.

Os produtores daqueles reclamam contra os preços baixos que atualmente lhes estão pagar, afirmando mesmo que estão a vender abaixo do custo de produção.

"A necessidade que temos é a de regulamentação da produção, a volta do sistema de quotas, ou outro sistema parecido com esse, mas que garanta o direito de produzirmos", afirmou Jorge Lobato.

O dirigente deixou um apelo às autoridades para que atuem no sentido de defender as explorações portuguesas.

"Tendo em conta o estado em que a produção está e os preços que são praticados, vai ser necessário que tanto a União Europeia como o Estado português tomem algumas medidas no sentido de salvar a nossa produção e de permitir que os produtores não continuem a acumular prejuízo", disse.

Segundo aquele dirigente, "se não houver (...) alterações no preço, até ao fim do ano muita gente vai fechar" a atividade.

Lobato deixou ainda um pedido aos consumidores, mas também às grandes superfícies "para que tenham sentido nacional e para que tenham iniciativa no sentido de trabalhar com a produção nacional".

Outra questão apontada pelos produtores é a da fiscalização dos laticínios importados.

"Apelo às entidades para que façam uma fiscalização em relação à qualidade do produto, mas também ao preço praticado nos hipermercados porque há os que conseguem vender o leite a preço mais baixo do que aquele a que nos compram", explicou.

Os preços "baixos" a que conseguem vender o leite é mesmo a preocupação mais apontada pelos produtores.

"Neste momento estou a vender com prejuízo. Pagam-me a 25 cêntimos o litro de leite e, pelas minhas contas, cada litro que produzo fica-me a 33 cêntimos", explicou à Lusa António Valente.

Os produtores apontam ainda o aumento dos custos de produção que não foi acompanhado pelo aumento do preço de venda.

Exemplificou que "estão a oferecer 30 euros" por um vitelo que, disse, "deviam pagar a 200 euros".

Além dos postos de trabalho em risco, o alerta é feito também sobre a qualidade de produtos regionais e típicos portugueses.

"O queijo da Serra deve ser feito com o leite das ovelhas com cornos [raça bordalesa]. Agora, os produtores do queijo deixaram de comprar o leite aos pastores da serra e compram leite importado que é de outras ovelhas. Não faz o mesmo queijo, mas é vendido como queijo da Serra", alertou António Machado, pastor e produtor daquele queijo.

A "marcha" de Braga segue em direção à 49.ª Agro, feira dedicada à agricultura e pecuária, onde os agricultores irão continuar reunidos para um seminário que contará com a presença do ministro da Agricultura, Capoulas Santos.