PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

PS acusa Governo de avançar com "enorme burla grisalha"

PS acusa Governo de avançar com "enorme burla grisalha"

O PS colocou esta quarta-feira em causa o cenário macroeconómico da proposta de Orçamento do Estado para 2014, considerando que ninguém pode acreditar nos seus objetivos, e acusou o Governo de ter feito uma "enorme burla grisalha".

"Este Orçamento é a cara do Governo, pouco credível e muito deprimido. Afunda o Governo num mar de contradição, mas, pior, afunda ainda mais o país na recessão", declarou o vice-presidente da bancada socialista Pedro Marques, numa intervenção no plenário da Assembleia da República, que acabou por não ter réplica dos grupos parlamentares do PSD e do CDS.

Pedro Marques pegou na afirmação do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, sobre a necessidade de evitar um choque de expectativas face à proposta de Orçamento do próximo ano.

"Perguntem aos funcionários públicos, perguntem aos pensionistas [de sobrevivência ou da Caixa Geral de Aposentações] se estão chocados, se estão chocados com o facto de a palavra do primeiro-ministro não ter valor nenhum, se estão chocados por a linha vermelha de Paulo Portas [vice-primeiro-ministro] se ter afinal transformado numa enorme burla grisalha", criticou o dirigente da bancada do PS.

Na sua intervenção, Pedro Marques lançou também a questão se "alguém pode acreditar nos objetivos" da proposta de Orçamento do Estado para 2014.

"Como pode o Governo achar que o aumento do desemprego e o profundo corte de salários e pensões vai benignamente garantir uma estabilização do consumo privado? Como pode o Governo considerar que o investimento vai agora crescer, se os empresários, quando inquiridos, sempre referem que não investem, porque não há procura para os seus produtos? Mas alguém pode investir quando as classes médias e os pensionistas continuam esmagados pelo aumento de impostos e vão ainda ter mais cortes de rendimentos?", perguntou o ex-secretário de Estado socialista.