PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Economia

PS pede adiamento potestativo da votação de legislação sobre habitação

PS pede adiamento potestativo da votação de legislação sobre habitação

O PS requereu o adiamento potestativo da votação indiciária das propostas relativas ao pacote legislativo sobre habitação, que se iniciava esta quinta-feira, mas o processo ficará concluído antes da aprovação do Orçamento do Estado (OE), garantiu a deputada Helena Roseta.

"Vamos começar terça-feira e esperamos acabar quarta-feira", avançou à Lusa a coordenadora do grupo de trabalho parlamentar da Habitação, Reabilitação Urbana e Políticas de Cidades, deputada independente eleita pelo PS Helena Roseta, indicando que, apesar do adiamento, o prazo de 26 de outubro para a conclusão de todo o processo de votação mantém-se, pelo que não está em risco a integração das propostas legislativas no OE para 2019.

O pedido de adiamento potestativo é justificado com a necessidade de "mais tempo" para o grupo parlamentar do PS "negociar" a aprovação do pacote legislativo sobre habitação, avançou Helena Roseta, referindo que "não há ainda a certeza que as propostas do Governo têm condições para serem aprovadas".

Neste âmbito, a deputada independente eleita pelo PS disse ainda que o coordenador da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) da Assembleia da República ficou de enviar, até segunda-feira, "uma análise qualitativa de toda a parte fiscal" do pacote legislativo sobre habitação, o que será um elemento importante para os grupos parlamentares "fecharem o sentido de voto".

Apesar do adiamento da votação indiciária, o grupo de trabalho parlamentar da Habitação mantém a reunião agendada para hoje, após o plenário, para "garantir que a metodologia das votações está clara para toda a gente", indicou a coordenadora, considerando que "vão ser votações muito complicadas".

O processo de votação indiciária do pacote legislativo sobre habitação inclui 11 iniciativas pendentes, das quais três são propostas de lei do Governo, nomeadamente o Programa de Arrendamento Acessível e os benefícios fiscais para contratos de arrendamento de longa duração.

Além das propostas do Executivo, existem três projetos de lei do PSD, dois do BE, um do CDS-PP, um do PEV e outro do PAN, com iniciativas dirigidas ao mercado do arrendamento urbano, nomeadamente medidas de caráter fiscal, seguros de renda e subsídios de renda.