PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

O Jogo ao Vivo

Economia

Ricardo Salgado alerta políticos para as consequências das decisões tomadas

Ricardo Salgado alerta políticos para as consequências das decisões tomadas

Ricardo Salgado, presidente do grupo BES, disse esta terça-feira em Londres que "os políticos deveriam ter noção do impacto das decisões que tomam", comentando a baixa de 'ratings' de Portugal porque a crise política "foi uma precipitação".

O presidente do BES, que falava aos jornalistas no âmbito da formalização de compra do banco de investimento britânico Execution Noble, comentando a notícia da Standard & Poors ter baixado novamente o 'rating' português de BBB/A-2 para BBB-/A-3, que os políticos "deveriam ter noção do impacto das decisões que tomam" e acrescentou que, com a evolução dos mercados, "requeria que se esforçassem mais na sua análise".

Ricardo Salgado acrescentou que a demissão do Governo e a crise política consequente "foi uma precipitação em que o principal efeito foi o 'downgrade' dos 'ratings'".

O presidente do BES resumiu numa frase as consequências das atitudes dos políticos: "Houve uma baixa do 'rating' a uma proximidade horrível do chamado 'junk'[lixo]", acrescentando não entender porquê porque "os resultados [das contas públicas ] dos primeiros dois meses foram muito bons".

Ricardo Salgado acusou ainda os governos do centro europeu de impor a Portugal o chamado PEC 4 e disse que o programa europeu para a Grécia e para a Irlanda "funciona mal", pelo que é necessário que a Europa tome medidas que levem a outra evolução, reconhecendo não saber qual.

Para o banqueiro, só tem havido uma política certa, a implementada pelo Banco Central Europeu: "É transitória, mas funciona".

Sobre a possível intervenção do fundo de resgate europeu e do FMI, Ricardo Salgado considerou não ser a questão porque "até se chegar a uma intervenção, haverá um conjunto de consequências enormes para a economia que são provocadas pela incerteza em que o país fica com este 'vacatio' político".