Economia

UGT considera que Autoeuropa está a fazer "um caminho perigoso"

UGT considera que Autoeuropa está a fazer "um caminho perigoso"

O secretário-geral da UGT, Carlos Silva, afirmou, este sábado, que o que está a acontecer na Autoeuropa é "um caminho perigoso", defendendo que a Comissão de Trabalhadores está a instrumentalizar os funcionários e a vender gato por lebre.

"Não vale a pena em Portugal, numa democracia com quase 44 anos, continuarmos a pensar que se chega a uma mesa de negociações, se tomam decisões e depois quando todos estão de acordo com o pré-acordo, vem-se cá para fora e diz-se aos trabalhadores: 'assinei aquilo, mas não estou de acordo'. Instrumentalizam os trabalhadores e vendem gato por lebre. É o que está a acontecer na Autoeuropa e nós temos de ser sérios", disse Carlos Silva.

O líder da UGT defendeu que "se a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa decide aceitar pré-acordos, tem de assumir a responsabilidade de os assinar" e "não pode fazer um referendo ou um plenário de cada vez que há uma alteração", apontando que "num universo de cerca cinco mil trabalhadores participam no plenário 400 ou 500".

"Ainda há gente que agita e confunde os trabalhadores e não fala verdade. Mas nós falamos (...). Esta é a gravidade que a CGTP está a potenciar. Agora já pedem o apoio do primeiro-ministro quando, entretanto, fizeram agitação lá dentro. Lembrem-se do que aconteceu na OPEL da Azambuja. Temos de garantir que não esquecemos os exemplos do passado", disse Carlos Silva.

O secretário-geral da UGT, que falava na sessão de encerramento do terceiro congresso da UGT/Porto, concluiu que "o que está a acontecer é um caminho perigoso", ressalvando que não cabe a esta central sindical nem aos seus sindicatos "pôr em causa as Comissão de Trabalhadores, porque esta fará o que entender".

"Mas tem de ter a coragem de assumir que aquilo que decidem lá dentro trazem cá para fora e aquilo que assinam lá dentro é para cumprir", acrescentou.

Em causa está um conflito laboral que já é considerado o maior de sempre na fábrica de automóveis de Palmela.

Apesar de várias reuniões já realizadas, administração e trabalhadores ainda não chegaram a uma solução, estando em causa horários, entre outros aspetos.

Está previsto que as negociações entre as partes - administração da empresa e Comissão de Trabalhadores -- prossigam na quinta-feira.

Além dos cerca de 5.000 trabalhadores da Autoeuropa, há mais três mil que pertencem a outras fábricas do parque industrial da Autoeuropa, que dependem da fábrica de Palmela, tal como muitos outros trabalhadores de diversas unidades industriais que têm como principal cliente a fábrica de automóveis.

ver mais vídeos