PROCURA UMA EMPRESA?

PESQUISE POR NOME, NIF OU MARCA, GRATUITAMENTE!

Relatórios de todas as empresas portuguesas

Exportação

Unidas na promoção do vinho português

Unidas na promoção do vinho português

Na origem da marca D"Uva - Portugal Wine Girls, um chapéu sob o qual oito herdeiras de casas vinícolas, entre os 30 e os 40 anos, prometem valorizar e promover o vinho português, cá dentro e lá fora, está uma reportagem de Fernando Melo.

Ele chamou-lhes "princesas do vinho" e elas lembraram-se de usar esse pretexto para melhor divulgar aquilo que fazem, bem como o vinho português em geral.

São "produtoras que receberam e têm de dar continuidade a projetos vitivinícolas quase como uma herança". Foi nesse sentido que o jornalista e crítico de vinhos lhes colocou o epíteto, explica Catarina Vieira, da Rocim (Herdade do Rocim, no Alentejo, e Vale da Mata, em Lisboa). A enóloga conta que "houve muita gente a falar" desse texto e que foi esse o mote para o que veio a seguir. "O primeiro objetivo é dinamizar as nossas marcas", detalha Mafalda Guedes, que na Herdade do Peso (Sogrape, Alentejo) tem a seu cargo as vendas internacionais.

Rita Cardoso Pinto, da Quinta do Pinto (Lisboa), tem uma resposta mais contundente: "Simplesmente porque juntas somos melhores. Queremos mostrar aquilo que de melhor Portugal tem e um produtor individualmente tem muito mais dificuldade. Juntas conseguimos mostrar a diversidade portuguesa e valorizamos o património vitivinícola e o nosso património".

O facto de serem mulheres parece ser só um "pormenor", embora Maria Manuel Poças Maia note que "a mulher traz algum equilíbrio e sensibilidade ao setor" do vinho. A responsável pela viticultura da Poças Júnior lembra ainda que "o papel da mulher no mundo do trabalho nos dias de hoje" é diferente do que aconteceu no passado e que isso também permite que surjam projetos como o D"Uva. "Oficialmente, não há nada deste género no nosso país. Lá fora, sim", frisa.

"Somos todas mulheres, mas podíamos ser homens", diz, por seu turno, Rita Fino, da Monte da Penha. O objetivo, nota, é "ganhar escala" e "chegar além-fronteiras". Rita Nabeiro, diretora-geral da Adega Mayor, concorda: "A questão da promoção a nível nacional e internacional é o mais importante. E mais do que falar do que não está feito, queremos perceber e trabalhar sobre o que é possível fazer". "Temos muito trabalho a fazer e precisamos de colocar Portugal nas melhores cartas de vinho e de ter nas lojas uma estante com o nome "Portugal" e não "Outras regiões"", completa Francisca Van Zeller, que é responsável pelas vendas e pelo marketing da Quinta Vale D. Maria e da Van Zellers & Co.

Na apresentação das D"Uva, uma das muitas ações que a marca fará e que decorreu no Porto na última terça-feira, faltou uma "princesa": Luísa Amorim, diretora-geral da Quinta Nova de Nossa Senhora do Carmo (Douro).