Angola

Isabel dos Santos está "preocupada" e admite problemas no pagamento de salários

Isabel dos Santos está "preocupada" e admite problemas no pagamento de salários

Depois de uma série de tweets, foi a através do Instagram que Isabel dos Santos reagiu ao processo de arresto das contas e das empresas movido pela justiça angolana. Aos seguidores disse estar "preocupada" e admitiu possíveis dificuldades no pagamento aos fornecedores e colaboradores.

Foram mais de 30 minutos, num direto através da rede social Instagram, falando em diversas línguas e respondendo a várias questões relacionadas com o processo em que se viu envolvida pelo Estado angolano. Já no primeiro dia do ano, a empresária, de 46 anos, que detém importantes participações em empresas portuguesas, como a Galp, Banco Bic e Efacec, tinha reagido através do Twitter às acusações de que é alvo.

"Há muita mentira dita por quem nos deveria proteger. Às vezes somos assim pequeninos", lamentou a filha de Eduardo dos Santos, que no final de dezembro, foi surpreendida pela ordem de o arresto preventivo das suas contas bancárias pessoais, além de nove empresas nas quais detêm participações sociais.

"Estou preocupada. Há pessoas que estão comigo há muito tempo. Penso nelas. São milhares as pessoas que trabalham comigo e que estão com o coração apertado", lamentou. Questionada por um dos seguidores sobre o real impacto do arresto, a empresária disse que não "pode fazer pagamentos". "O dinheiro tem que ser usado para trabalhar. Temos que pagar salários e fornecedores", explicou.

A empresária angolana admitiu, ainda, a possibilidade de empresas poderem vir a fechar. "Há essa possibilidade sim. Estamos num momento de crise económica, e assim sendo, se as empresas não são acompanhadas muito de perto e não têm o apoio do acionista nem de quem as criou, seguramente o risco está sempre aí".

Quando confrontada se o processo seria ou não fácil de ultrapassar, Isabel dos Santos disse nada saber. "Fomos apanhados de surpresa. O fim de ano tem sido muito difícil. Em vez de ser um momento de família, tem sido um momento do trabalho", explicou, garantindo, ainda, "que o processo vai ter um impacto muito grande nas empresas e não estar próxima delas e poder acompanhar vai ser muito difícil".

Já depois de responder a dezenas de questões, deixou para o fim uma nota sobre a conversa que teve com o pai, José Eduardo dos Santos, que também está "preocupado" com a situação. Ainda assim, as palavras do antigo presidente angolano terão sido de motivação. "O que ele me disse foi: a luta continua, muita coragem", confidenciou Isabel dos Santos.

O arresto das participações de Isabel dos Santos em nove empresas angolanas poderá vir a ter consequências em Portugal. A empresária tem uma posição de peso no capital de quatro empresas nacionais. E nas empresas arrestadas existe exposição direta a companhias portuguesas.

Outras Notícias