Premium

Já nem o turismo salva a economia da estagnação

Já nem o turismo salva a economia da estagnação

O índice de preços no consumidor caiu 0,3% em julho face ao homólogo do ano passado para -1,3%. As maiores reduções de preços foram em vestuário e calçado, devido aos saldos e promoções, mas também em restaurantes e hotéis, cujo valor diminuiu 1,4 pontos percentuais (pp) face a junho. No cenário de estagnação económica da Zona Euro, piores resultados do que em Portugal só os de Espanha, Chipre e Grécia.

No caso do índice harmonizado de preços no consumidor, cujo valor 100 corresponde às médias de 2015 e que permite comparações com a inflação de outros países europeus, a variação de preços em Portugal é a mais acentuada da Zona Euro: -0,7% homólogos em julho, representando -1,4 pp face a junho. É aqui que se inclui a despesa feita por turistas.

"Temos estado a alimentar a economia portuguesa com uma procura turística contingente, pouco estruturada e que acabou por estagnar mal cessaram as contingências que a geraram e os destinos turísticos concorrentes recuperaram. Além disso, é um setor que não podia crescer para sempre", considerou o economista José Reis. "A nossa desindustrialização foi muito forte, podíamos ter progredido para outras atividades que gerassem maior crescimento. Assim, competimos em atividades que, a nível internacional, se afirmam pela contração de preços", completou o professor da Universidade de Coimbra.