Aviação

Já saíram 1302 trabalhadores da TAP desde 31 de dezembro de 2020

Já saíram 1302 trabalhadores da TAP desde 31 de dezembro de 2020

Já saíram 1302 trabalhadores da TAP desde 31 de dezembro de 2020, adiantou esta sexta-feira a transportadora aérea, em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), onde deu conta dos resultados do primeiro semestre deste ano.

A empresa referiu que, nesse período, "os custos operacionais totais ascenderam a 760,5 milhões de euros", um "decréscimo de 313,1 milhões de euros (-29,2%)" quando comparado com o primeiro semestre de 2020, "explicado maioritariamente pela redução material nas seguintes rubricas: custos com combustível (-40,4%), custos operacionais de tráfego (-43,7%), custos com pessoal (-8,6%) e depreciações e amortizações (-20,8%)".

"Esta redução é o resultado das medidas de restruturação executadas pela empresa, nomeadamente da diminuição do quadro de colaboradores - desde 31 de dezembro de 2020 um total de 1.302 colaboradores saiu da empresa, o que representa uma redução de 16% na força de trabalho -, e da negociação dos acordos com os sindicatos através dos quais se definiram revisões salariais", lê-se na mesma nota.

Só no segundo trimestre deste ano, revelou a transportadora, saíram 722 colaboradores.

A TAP recordou, na mesma nota, que, tendo em conta "a prossecução da execução da proposta de Plano de Reestruturação que o Estado Português submeteu à Comissão Europeia no dia 10 de dezembro de 2020, e que ainda se encontra em apreciação por parte da Comissão Europeia, e no seguimento da celebração de Acordos Temporários de Emergência com todos os sindicatos e da declaração da TAP como empresa em situação económica difícil (nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 3/2021, de 14 de janeiro de 2021)", a companhia implementou, "entre fevereiro e junho de 2021, um conjunto de medidas laborais de cariz voluntário e consensual para os seus colaboradores, nomeadamente rescisões por mútuo acordo, reformas antecipadas, pré-reformas, trabalho a tempo parcial, licenças sem vencimento, bem como candidaturas a vagas disponíveis na Portugália".

A companhia acrescentou que, "como consequência das referidas medidas voluntárias, a meta inicial de redimensionamento da proposta de Plano de Reestruturação submetida à Comissão Europeia no dia 10 de dezembro de 2020 pôde ser ajustada em baixa e permitiu que o número de trabalhadores elegível para medidas unilaterais fosse reduzido para 124 trabalhadores, ou seja, ajustado em cerca de 94% face ao número inicial previsto e imposto pelo Plano de Reestruturação".

Assim, no dia 08 de julho de 2021, "a TAP iniciou um procedimento de despedimento coletivo envolvendo estes 124 trabalhadores, o qual seguirá os seus trâmites de acordo com um calendário indicativo que se prevê concluir-se no último trimestre do corrente ano", recordou, destacando que, neste momento, "na sequência da adesão de 42 colaboradores às medidas de rescisão voluntária, o processo de despedimento coletivo abrange apenas 82 trabalhadores".

PUB

A TAP SA reduziu, no primeiro semestre deste ano, os prejuízos, para 493,1 milhões de euros, uma recuperação de 15,3%, ou 88 milhões de euros, face aos resultados negativos de 582 milhões de euros do período homólogo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG