O Jogo ao Vivo

Motoristas

Militares das Forças Armadas fizeram 161 transportes de combustível

Militares das Forças Armadas fizeram 161 transportes de combustível

Os militares dos três ramos das Forças Armadas fizeram 161 transportes durante a greve dos motoristas de matérias perigosas, tendo transportado mais de cinco milhões de litros de combustível.

O primeiro-ministro, António Costa, e o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, estiveram esta segunda-feira no Comando Conjunto para as Operações Militares, no concelho de Oeiras, onde se inteiraram da atuação dos militares durante a paralisação.

A greve dos motoristas teve início na segunda-feira, dia 12 de agosto, e foi desconvocada oficialmente no domingo (dia 18).

Durante esses dias, os militares fizeram 161 transportes e 26341 quilómetros para transportar 5.146.945 litros de combustível, sendo que a maior parte dos pedidos foram provenientes de Aveiras de Cima.

Na quinta e na sexta-feira foram os dias em que as Forças Armadas realizaram mais transportes (39 e 38, respetivamente).

Estes dados da intervenção militar durante a operação, denominada São Cristóvão, foram apresentados aos membros do Governo pelo coronel Sobreira, comandante da Força de Reação Imediata (FRI).

O tempo médio de resposta desde o pedido de transporte foi de pouco mais de uma hora e meia.

Questionado pelo primeiro-ministro sobre se houve hostilidade para com os militares, o comandante da FRI disse que "não, pelo contrário".

"Fomos bem recebidos pelos motoristas", acrescentou, apontando que os militares tinham "as mesmas condições".

António Costa quis saber também qual a capacidade de transporte por parte das Forças Armadas com os meios que foram empenhados, tendo o comandante respondido que poderiam chegar a, "por ventura, três vezes mais".

A greve dos motoristas de pesados começou em 12 de agosto por tempo indeterminado. Na quinta-feira, o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) desconvocou a paralisação, mas o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) manteve o protesto, anunciou a suspensão temporária na sexta-feira e só desconvocou o protesto no domingo, após um plenário de trabalhadores.

O Conselho de Ministros declarara em 9 de agosto a situação de crise energética, para o período compreendido entre as 23.59 horas desse dia e as 23.59 horas de 21 de agosto, para todo o território nacional. Esta segunda-feira, um dia depois da desconvocação da greve, o Conselho de Ministros decretou o fim da situação de crise energética a partir das 23.59 horas desta segunda-feira.

No dia 9 foi também constituída a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA), integrando postos de abastecimento exclusivo para entidades prioritárias e veículos equiparados, como Forças Armadas, forças de segurança, proteção civil, emergência médica ou transporte público de passageiros e uma rede para abastecimento público com bombas abertas ao público em geral, mas com restrições na quantidade de abastecimento.

Para terça-feira está marcada uma reunião no Ministério das Infraestruturas e Habitação, em Lisboa, para a retoma de negociações entre a associação patronal Antram e o SNMMP.

Outros Artigos Recomendados