UE

Mudar relação do Reino Unido com UE pode acabar com a organização

Mudar relação do Reino Unido com UE pode acabar com a organização

O presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, avisou, esta sexta-feira, que o plano do primeiro-ministro britânico, David Cameron, de renegociar a relação do Reino Unido com a UE pode acabar com a organização e prejudicar o mercado único.

Numa entrevista ao jornal "The Guardian", Van Rompuy disse que uma eventual saída do Reino Unido da União Europeia causará prejuízos graves ao país e aos restantes dos 26 Estados-membros.

"Se cada membro pudesse escolher apenas as partes das políticas europeias que mais gosta e abster-se das que gosta menos, a União Europeia em geral e o mercado único em particular seriam desmantelados num instante", defendeu Van Rompuy.

O presidente do Conselho Europeu lembrou que cada país tem as suas exigências e garantiu que estas são levadas em conta, mas referiu que nenhum membro pode "minar os princípios fundamentais do sistema de cooperação" que existe na Europa.

Cameron deverá explicar os seus planos sobre a UE no discurso de ano novo, no qual, segundo foi divulgado, pretende propor o regresso a Londres dos poderes atribuídos a Bruxelas e a realização de um referendo sobre a adesão à UE caso seja renegociado o Tratado de Lisboa para introduzir novos apoios ao euro.

O primeiro-ministro britânico, que está sob pressão da ala conservadora e eurocética do seu partido, explica a sua posição com o facto de considerar que o Tratado de Lisboa - que regula o funcionamento da União Europeia - vai ser renegociado para incorporar reforços ao euro na atual crise.

Na entrevista ao "The Guardian", Van Rompuy rejeita a necessidade de renegociar o Tratado de Lisboa, alegando que há margem para introduzir mudanças sem entrar num longo processo de negociação e ratificação pelos países.