aviação

Nuvem de cinzas vulcânicas está no espaço aéreo português

Nuvem de cinzas vulcânicas está no espaço aéreo português

A nuvem de cinzas libertadas pelo vulcão islandês está no espaço aéreo português, prevendo-se que se desloque para as regiões Centro e Sul, segundo o Instituto de Meteorologia.

"A informação que temos é que a pluma de cinzas se encontra, sensivelmente, entre os 100 e 200 quilómetros, mais ou menos a oeste da nossa costa ocidental", declarou o meteorologista Fernando Rei, referindo-se aos dados comunicados pelo Centro Consultivo de Cinzas Vulcânicas de Londres.

A possibilidade de o espaço aéreo nacional ser encerrado depende, no entanto, da avaliação e decisão dos serviços de tráfego aéreo.

"Tudo depende da concentração das partículas em suspensão na atmosfera", explicou Fernando Rei, referindo que existe sempre a possibilidade de estas estarem de tal forma dispersas que não perturbem a circulação dos aviões.

Desde Março passado que o vulcão islandês Eyjafjöll, localizado num glaciar do sul da Islândia, se encontra em actividade, emanando uma nuvem de cinzas que provocou já o encerramento do espaço aéreo de vários países da Europa, entre 14 e 21 de Abril.

A situação causou um caos sem precedentes na história da aviação civil e prejuízos estimados na ordem dos 2,5 mil milhões de euros.

O vulcão islandês encontra-se, novamente, numa "fase explosiva", de acordo com meteorologistas e geofísicos, ao ponto de o espaço aéreo da Irlanda ter sido encerrado pela terceira vez em três dias.

Em Portugal, as previsões apontam para que "haja uma progressão [da nuvem de cinzas] lentamente para sueste", disse ainda o meteorologista Fernando Rei.

"Tudo indica que essa área que está a afectar o nosso espaço área vá progredir lentamente para sueste, podendo vir a afectar, nas próximas horas e até às 19 horas locais, as regiões do Centro e Sul, sobretudo mais o Litoral", declarou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG