Economia

Orçamento "queimado" de forma simbólica em pleno centro histórico de Évora

Orçamento "queimado" de forma simbólica em pleno centro histórico de Évora

O Orçamento do Estado para 2014, aprovado esta terça-feira pela maioria PSD/CDS-PP, foi "queimado" numa fogueira, de forma simbólica, durante uma concentração em Évora, para demonstrar a "indignação" dos trabalhadores com as políticas do Governo.

Organizada pela União dos Sindicatos do Distrito de Évora (USDE), afeta à CGTP, no âmbito do "Dia Nacional de Indignação, Protesto e Luta", a iniciativa decorreu ao final da tarde em plena Praça do Giraldo, considerada a "sala de visitas" da cidade alentejana.

"Foram queimados os roubos dos salários e das pensões, os cortes na educação e saúde e foi queimado todo o orçamento que prejudica e penaliza quem trabalha para continuar a dar aos grandes grupos económicos", afirmou o presidente da USDE, Valter Lóios, em declarações à agência Lusa.

O dirigente sindical realçou que "o descontentamento é visível" nas pessoas, considerando que a população "condena esta política de direita" e que exige "a demissão deste Governo".

Enquanto colocavam na fogueira folhas de papel com algumas das medidas do Orçamento do Estado para 2014 (OE2014), os manifestantes empunharam cartazes e gritaram palavras de ordem contra o Governo, entre as quais "é preciso e é urgente, correr com esta gente".

No final da concentração, foi ainda aprovada uma moção contra o OE2014.

O Orçamento do Estado para 2014 foi aprovado em votação final global pela maioria PSD/CDS-PP, com os votos contra de todas as bancadas da oposição e do deputado democrata-cristão eleito pela Madeira Rui Barreto.