INE

PIB português recupera 13,2% no 3.º trimestre

PIB português recupera 13,2% no 3.º trimestre

O Produto Interno Bruto (PIB) português caiu 5,8% no segundo trimestre do ano face ao mesmo período de 2019, mas recuperou 13,2% face ao segundo trimestre deste ano, divulgou esta sexta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"No terceiro trimestre de 2020, o Produto Interno Bruto (PIB) em termos reais registou uma redução homóloga de 5,8%, após a forte contração de 16,4% no trimestre anterior", pode ler-se numa estimativa rápida hoje divulgada pelo INE.

Já face ao segundo trimestre, "o PIB aumentou 13,2% em termos reais o que compara com a forte contração observada no trimestre anterior (variação em cadeia de -13,9%)".

De acordo com o instituto de estatística, a redução homóloga "menos intensa do PIB no 3.º trimestre ocorreu no contexto de reabertura progressiva da atividade económica, que se seguiu à aplicação de medidas de contenção à propagação da Covid-19 com forte impacto económico nos primeiros dois meses do segundo trimestre".

"A evolução do PIB deveu-se sobretudo ao comportamento da procura interna, que registou um contributo para a variação homóloga do PIB consideravelmente menos negativo que o observado no trimestre anterior, traduzindo principalmente a menor contração do consumo privado", pode ler-se na estimativa rápida hoje divulgada pelo INE.

O documento revela também que "o contributo negativo da procura externa líquida foi menos acentuado no 3.º trimestre, em resultado da recuperação mais significativa das Exportações de Bens e Serviços que a observada nas Importações de Bens e Serviços, devido em grande medida à evolução das exportações de bens, uma vez que as de serviços mantiveram reduções expressivas".

Já relativamente ao segundo trimestre, em cadeia, a subida de 13,2% do PIB é explicada "em larga medida, pelo expressivo contributo positivo da procura interna para a variação em cadeia do PIB, após um contributo fortemente negativo no 2.º trimestre".

Assim, em cadeia, "o contributo da procura externa líquida passou de muito negativo no trimestre anterior para positivo, verificando-se um crescimento acentuado das exportações de bens", pode também ler-se no documento.

O INE aponta ainda que com a atualização das estimativas das despesas de consumo final das administrações públicas para 2020, houve "revisões nas taxas de variação homóloga e em cadeia do PIB para o 1.º e 2.º trimestre de 2020", face a 23 de setembro.

O instituto fará nova estimativa rápida (a 45 dias) dos valores hoje divulgados no dia 13 de novembro, "e os resultados detalhados serão publicados no dia 30 de novembro".

Outras Notícias