Sindicato

Pilotos da TAP disponíveis para aceitar condições aplicadas na Lufthansa

Pilotos da TAP disponíveis para aceitar condições aplicadas na Lufthansa

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), que vai reunir esta sexta-feira com a administração da TAP, assegurou que os pilotos estão dispostos a aceitar as condições aplicadas na Lufthansa.

"Estamos dispostos a aceitar as mesmas condições que forem aplicadas aos pilotos da Lufthansa. Os meios de produção são os mesmos", afirmou o presidente do SPAC, Alfredo Mendonça, em conferência de imprensa, em Lisboa.

A alemã despediu cerca de 20% dos trabalhadores e fez cortes salariais de 45% no caso dos pilotos e de 25% nos restantes.

Lembrando que a TAP "significa muito para Portugal", o presidente do SPAC vincou que é preciso saber se a companhia está disposta a "negociar", nomeadamente, a alterar as medidas que têm em vista a redução da despesa, objetivo que diz ser "possível conseguir".

Na reunião, que vai decorrer esta sexta-feira, pelas 16.30 horas, com a administração da TAP, o sindicato vai defender, "ao máximo, a minimização dos despedimentos dos pilotos", garantiu.

O Governo entregou à Comissão Europeia (CE) a proposta inicial do plano de restruturação da TAP, que prevê para o próximo ano um auxílio do Estado de 970 milhões de euros, anunciou o executivo.

PUB

De acordo com um comunicado conjunto dos ministérios das Infraestruturas e da Habitação e das Finanças, "foi entregue hoje [quinta-feira] à Comissão Europeia uma proposta inicial do plano de reestruturação da TAP, ao abrigo da Diretiva Europeia que regulamenta os auxílios de Estado".

O Governo estima que a TAP tenha condições para começar a devolver os apoios do Estado em 2025, mas até lá poderá ter de receber um valor superior a 3,7 mil milhões de euros, segundo o ministro das Infraestruturas.

O ​​​​​​​SPAC e o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) apelaram ao Governo que negoceie com Bruxelas o adiamento da apresentação do plano de reestruturação da TAP, denunciando que este está baseado em previsões de mercado "completamente desatualizadas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG