O Jogo ao Vivo

Economia

Portugal teve o maior aumento da carga fiscal na UE

Portugal teve o maior aumento da carga fiscal na UE

Portugal registou, entre 2010 e 2011, o maior aumento da carga fiscal, medida pelo peso das receitas fiscais no Produto Interno Bruto, na União Europeia.

De acordo com o gabinete de estatística da UE, Eurostat, a carga fiscal em Portugal aumentou de 31,5% em 2010 para 33,2% em 2011, a maior subida entre os Estados-membros, seguindo-se a Roménia (26,7% para 28,2%) e França (42,5% para 43,9%).

Já as maiores descidas pertenceram à Estónia (34,1% para 32,8%), à Suécia (45,4% para 44,3%) e à Lituânia (27% para 26%).

PUB

Na União Europeia, a carga fiscal subiu de 38,3% em 2010 para 38,8% em 2011, enquanto na zona euro o aumento foi de 39% para 39,5%.

A carga fiscal variou consideravelmente entre os 27 Estados-membros em 2011, oscilando entre 26% na Lituânia e 47,7% na Dinamarca.

Segundo o Eurostat, os impostos sobre os rendimentos de trabalho são a principal fonte de receitas fiscais na UE, representando quase metade do total da receita, seguidos pelos impostos sobre o consumo, que representam cerca de um terço do volume total das receitas fiscais.

Na UE, a taxa média dos impostos sobre o trabalho aumentou de 35,4% em 2010 para 35,8% em 2011, enquanto na zona euro subiu de 37,4% para 37,7% no mesmo período. Em Portugal, o aumento foi de 24% para 25,5%.

Já a média das taxas de imposto implícitas sobre o consumo aumentou de 19,7% para 20,1% na UE e subiu de 19,3% para 19,4% na zona euro, em 20,1%. Em Portugal, a subida foi de 17,6% em 2010 para 18% em 2011.

Em 2011, as taxas de imposto implícita sobre o consumo mais baixas pertenceram à Espanha (14,0%), à Grécia (16,3%) e à Letónia (17,2%), enquanto as mais altas foram observadas na Dinamarca (31,4%), na Suécia (27,3%) e no Luxemburgo (27,2%).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG