Aviação

TAP poupou 259 milhões com a saída de 900 trabalhadores

TAP poupou 259 milhões com a saída de 900 trabalhadores

A fatura que a pandemia passou à TAP é já conhecida: prejuízos de mais de 1230 milhões de euros no ano passado, quase 13 vezes mais do que em 2019 (96 milhões de euros). Apesar de nos meses de janeiro e fevereiro de 2020 os indicadores operacionais da companhia serem positivos, a partir de março, os prejuízos agravaram-se significativamente nos meses seguintes.

No início do segundo trimestre, a TAP recorreu ao lay-off simplificado, o que terá ajudado a reduzir os custos com pessoal, e também levou a empresa a não renovar contratos a prazo. A transportadora fechou 2020 com um total de 8106 funcionários, menos 900 que no anterior. Os custos com pessoal ascenderam a 419,7 milhões de euros, menos de cerca de 38% face a 2019, ou menos perto de 259 milhões de euros.

Com a pandemia a deixar muitas aeronaves em terra durante semanas a fio, a quebra no número de passageiros transportados superou os 72%, depois de quatro anos sempre a crescer. Se em 2019 a companhia liderada por Ramiro Sequeira transportou mais de 17 milhões de pessoas, no ano passado, foi pouco além dos 4,6 milhões, uma queda de 12,3 milhões de passageiros. As receitas de passagens caíram 70,9%.

Em meados do ano passado, a TAP recebeu uma ajuda de Estado no valor de 1200 milhões de euros, tendo-se comprometido a implementar um plano de reestruturação. Mas a companhia arrancou 2021 com menos de metade desse valor. "Forte posição de caixa e equivalentes de 518,8 milhões euros no final do trimestre, pelo recebimento do remanescente do financiamento do Estado português no contexto de um auxílio de Estado no valor total de euros 1200 milhões", lê-se no comunicado da TAP enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Menos aviões

A 31 de dezembro de 2020, a TAP tinha menos nove aviões do que em 2019. A frota ficou assim com um total de 96 aeronaves, um número que deverá continuar a diminuir, uma vez que o plano de reestruturação finalizado em dezembro (e que aguarda ainda a aprovação da Direção-Geral da Concorrência) prevê que a transportadora aérea termine 2021 com 88 aviões.

Contudo, e segundo os números que foram divulgados aquando do plano de reestruturação, em 2024 (último ano da reestruturação), a frota da TAP contará com entre 95 e 99 aeronaves, fruto da retoma.

PUB

Em 2020, entraram em operação sete aviões da nova geração Airbus e saíram de operação 16 aviões. Dois A332 foram convertidos em aviões de carga.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG