Economia

Produtores protestam contra preço do leite

Produtores protestam contra preço do leite

Centenas de agricultores apelaram, esta quarta-feira, à "indústria para que se entenda com a distribuição, permitindo o aumento do preço do litro de leite comprado ao produtor", explicou o presidente da Associação dos Produtores de Leite de Portugal.

O pedido, feito durante uma manifestação pacífica, aconteceu em Modivas, Vila do Conde, junto à fábrica da Lactogal.

Carlos Neves voltou a lembrar que os produtores pedem "cinco cêntimos de aumento por litro de leite vendido à indústria para poderem sobreviver".

Esta concentração visou "chamar a atenção, de forma expressiva, para os intervenientes no processo leiteiro" ouvirem o sector de "uma vez por todas".

Há mais de um ano e meio que se têm sucedido os apelos, mas os produtores "têm aguentando, devido a pinguinhas que vão recebendo de subsídios, do facto de não tirarem ordenados todos os meses e ainda de ficarem a dever aos fornecedores", explicou Carlos Neves.

O dirigente explicou que "chegou a hora de dizer basta", porque a maioria "está pronta a ser executada".

O líder da APROLEP pede à "indústria e distribuição que se entendam e parem de deitar culpas uns para os outros".

"É que, assim, o nosso problema nunca é resolvido. O preço da ração disparou e como não há sinais de um entendimento, tivemos que sair para a rua", justificou o também produtor, realçando que o prejuízo que tem por litro de leite se cifra entre os "cinco a oito cêntimos".

Os produtores que hoje de manhã se concentraram surgiram de todas as regiões do país, nomeadamente Trás-os-Montes, Ribatejo, Grande Lisboa, Braga e Grande Porto.

Álvaro Resende viajou da Nazaré até Vila do Conde para mostrar que a sua situação também "é muito difícil", porque não consegue "fazer face aos custos de produção".

O agricultor realça a necessidade de "estancar esta hemorragia" que atingiu quem vive da produção de leite.

Com 450 cabeças de gado, sendo que 230 estão em produção, este agricultor diz que tem "falta de liquidez e não há milagres".

Álvaro Resende pede bom senso e defende a necessidade de um "entendimento em toda a fileira, desde a indústria até à distribuição".

Carlos Moreira, de Vila do Conde, lamenta o facto de os agricultores "andarem há dois anos a falar de um assunto de interesse nacional, mas que ninguém parece interessado".

O produtor lembra que só no seu município "mais de 50 explorações fecharam as portas nos últimos meses".

"Se não houver aumento do preço do leite, muitas outras vão encerrar", garantiu.

Em Portugal há, neste momento, cerca de oito mil produtores, mas foram já 80 mil.

"Ainda somos auto-suficientes na produção de leite, mas não podemos deixar morrer um sector fulcral para Portugal", concluiu o presidente da APROLEP.

Os produtores enviaram uma carta ao Presidente da República a apelar ao seu interesse por esta questão.

Também dirigiram missivas à administração da Lactogal e outras indústrias do sector, no sentido de as sensibilizarem a um entendimento com a distribuição.