Emigração

Proposta do Novo Banco aceite por 80% dos emigrantes lesados

Proposta do Novo Banco aceite por 80% dos emigrantes lesados

O Novo Banco anunciou que 80% dos seus clientes emigrantes aderiram à solução comercial apresentada pela instituição aos detentores de ações preferenciais dos veículos Poupança Plus, Top Renda e EuroAforro 8.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a instituição financeira liderada por Stock da Cunha refere que, "encerrado o período de adesões e revogações, [...] aderiram à solução comercial 80% dos clientes (titulares de 77% do número de ações preferenciais emitidas pelos veículos)", tendo o banco "recebido instruções de voto que asseguram a maioria necessária para deliberar a alteração dos estatutos de cada um dos veículos".

O Novo Banco apresentou uma solução comercial aos clientes detentores de ações preferenciais dos veículos Poupança Plus, Top Renda e EuroAforro 8, que foram objeto de comercialização pelo Banco Espírito Santo (BES).

PUB

O prazo para aderir à solução comercial, bem como para revogar a adesão, terminou no passado dia 18 de setembro, de acordo com os termos da informação da CMVM, publicada no respetivo site em 3 de setembro de 2015.

Em comunicado, o banco informa que "a primeira fase do processo da solução comercial tem como objetivo a transferência, para o cliente, do património do veículo, na proporção das ações preferenciais de que o mesmo é titular".

Para que esta transferência seja possível, diz o documento, "é necessário que a maioria do número de ações preferenciais vote favoravelmente a alteração de estatutos de cada veículo, por forma a ser incluída a possibilidade de liquidação, em espécie, das ações preferenciais, por iniciativa do cliente".

Em breve, o Novo Banco avisa que comunicará aos seus clientes "as datas de votação das alterações de estatutos, bem como o prazo previsto para executar a solução comercial acordada com os clientes".

A solução comercial proposta pelo Novo Banco previa a assinatura prévia dos clientes para que o Novo Banco e o Credit Suisse possam anular os veículos financeiros. Só depois seria possível avançar com a proposta que garantisse pelo menos 60% do capital investido, e liquidez se essa for a opção, assim como um depósito anual crescente a seis anos, que prevê recuperar no mínimo 90% do capital investido.

O Novo Banco tem vindo desde há um ano a resolver situações pendentes de aplicações de clientes que ficaram 'congeladas' pela resolução do Banco de Portugal ao BES e que tinham como ativos subjacentes dívida sénior do BES, que por via da resolução transitaram para o Novo Banco.

As soluções apresentadas pelo Novo Banco desde outubro do ano passado envolveram um total de cerca 12500 clientes e um valor aplicado perto de dois mil milhões de euros, sendo que as soluções apresentadas no caso das séries comerciais e na gestão discricionária de carteira tiveram uma aceitação de 99% dos casos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG