Economia

PS diz ter "baixas expectativas" numa mudança política do Governo

PS diz ter "baixas expectativas" numa mudança política do Governo

O PS afirmou esta terça-feira que tem "baixas expectativas" em relação à possibilidade de haver uma inversão nas políticas do Governo, apostando no crescimento, e advertiu que rejeitará mais medidas de austeridade.

"Não é pelo facto de o Governo ter duas ou três medidas positivas, em alguns casos até apresentadas anteriormente pelo PS, que muda o coração da sua política. As nossas expectativas quanto à credibilidade e capacidade do Governo mudar de política são muito baixas", disse Eurico Dias, membro do Secretariado Nacional do PS.

Eurico Brilhante Dias falava em conferência de imprensa, após o Conselho de Ministros ter aprovado um conjunto de medidas para estimular o crescimento e dinamizar a economia portuguesa.

"Se, no essencial, o Governo continua a dizer que vai aplicar austeridade e que vai substituir medidas que de forma pouco competente incluiu no Orçamento do Estado por outras de valor equivalente. Se o Governo continuar com o discurso do corte dos quatro mil milhões de euros, no essencial, o Governo está a manter a sua política", advertiu o dirigente socialista.

Porém, Eurico Brilhante Dias admitiu que o PS poderá dar o voto favorável "a medidas que forem apresentadas no Parlamento e estiverem de acordo com o sentimento de interesse nacional".

"Há medidas do Governo que só vêm tarde, caso do banco de fomento, ou da extensão das maturidades PME Invest e PME crescimento. Essas medidas que propusemos, com as quais naturalmente estamos de acordo, poderão ser apresentadas pelo Governo ou reapresentadas pelo PS, tendo nós a expectativa que a maioria PSD/CDS mude de opinião", disse.

Ainda sobre o Conselho de Ministros de hoje, Eurico Brilhante Dias deixou uma nota política.

"Se alguém andava muito distraído e pensava que o PS não era ou não tinha alternativa, hoje terá ficado esclarecido. Quem não tem alternativa à sua estratégia da austeridade custe o que custar é o Governo", contrapôs.