Economia

PS/Porto diz que banco de fomento "dificilmente" vai inverter "esvaziamento" da região

PS/Porto diz que banco de fomento "dificilmente" vai inverter "esvaziamento" da região

O PS/Porto afirma que um banco de fomento com sede naquela cidade "dificilmente" vai "inverter" os efeitos do "esvaziamento" financeiro, económico e político da região Norte, embora considere um "anúncio positivo".

Em comunicado, enviado esta quarta-feira à agência Lusa, o líder da Federação Distrital do PS, José Luís Carneiro, declara o seu o "firme desejo" de que a decisão de criar no Porto aquela "estrutura de decisão" seja "um passo na direção certa".

A fundação do banco de fomento, denominado de Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), foi anunciada pelo primeiro-ministro durante o debate da moção de confiança, esta terça-feira, no Parlamento, como parte integrante de um dos quatro pilares de ação da segunda parte da legislatura, que é o relançamento da economia.

"Tratando-se de um anúncio positivo, a sua concretização efetiva, como estrutura de decisão no Porto, dificilmente conseguirá inverter os efeitos de um esvaziamento financeiro, económico e político da região Norte", refere.

Segundo José Luís Carneiro, "o que se passou nos últimos dois anos, com a diluição das estruturas de decisão intermédias e com a desvalorização da Junta Metropolitana do Porto, bem como a decapitação política da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR-N), tem tido efeitos devastadores em toda a nossa região".

Mesmo assim, o socialista nota ter "o firme desejo de que esta decisão constitua um passo na direção certa".

Também o PCP/Porto se pronunciou, hoje, por comunicado, sobre a localização na cidade de uma banco de fomento considerando que "não passa de propaganda" do Governo e que surge "com mais de um ano de atraso".

Ainda assim, o PCP/Porto disse esperar "que a criação do banco de fomento se concretize efetivamente e que seja útil à economia da região e do país, em particular às micro, pequenas e médias empresas, que têm sido fustigadas pela política de direita dos PEC e do pacto de agressão que agravaram a injustiça fiscal, reduziram o poder de compra da população e estrangularam o mercado interno".

Já para a Distrital do PSD/Porto, que produziu o seu comentário na terça-feira, a abertura de uma nova instituição financeira de Fomento no Porto é o "reconhecimento explícito" do Governo para a "importância decisiva" do Norte no "futuro" do país.

"Este é, sem dúvida, o reconhecimento explícito do Governo e do senhor primeiro-ministro, para a importância decisiva para o futuro do nosso país, da capacidade empresarial e produtiva do Norte do país e dos seus empresários, reconhecidos historicamente como de enorme capacidade de inovação e de empreendedorismo", afirmou Virgílio Macedo, também por comunicado.