Exclusivo

Recolher obrigatório "caiu como uma bomba"

Recolher obrigatório "caiu como uma bomba"

Do Porto a Matosinhos, a falta de clientes é a queixa mais comum e o estado de emergência não irá ajudar.

"Não compreendo a razão destas medidas. Mais valia dizerem para fecharmos as portas. Mas para isso teriam de dar apoios. Optaram pelo confinamento. Porquê? O vírus só existe à noite e aos fins de semana?", afirma revoltado Tito Rodrigues, com dois restaurantes na zona das marisqueiras em Matosinhos.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG