Automobilismo

Rede de carregadores de viaturas elétricas a crescer

Rede de carregadores de viaturas elétricas a crescer

Havia 2343 postos de carregamentos de acesso aos condutores de elétricos no final de 2021.

A rede de carregadores para carros elétricos voltou a crescer de forma expressiva no ano passado. Depois de o número de postos ter duplicado entre 2019 e 2020, os últimos 12 meses revelam que a mobilidade elétrica está a consolidar-se em Portugal, após quase uma década de estagnação.

Em 2021, registou-se um aumento de 65,3% no número de postos de carregamento de acesso ao público. Passaram de 1417 para 2343 as localizações em Portugal (ilhas incluídas) onde qualquer proprietário de um carro elétrico ou híbrido plug-in (com tomada exterior) pode encher a bateria do seu veículo, segundo os dados pelo JN/DV junto da entidade gestora da rede, a Mobi.E.

PUB

No número de postos considerados estão excluídas as instalações de acesso privado, como os supercarregadores da Tesla e da Porsche.

42 mil carros elétricos

Em Portugal, existem cerca de 42 mil automóveis totalmente elétricos. É necessário contar, ainda, com parte dos 108 mil veículos híbridos em circulação por terem uma tomada exterior de carregamento.

Dos 926 novos postos de carregamento que foram disponibilizados ao público, 621 são de carga normal, 250 de carga rápida e, ainda, 52 de carga ultrarrápida (acima dos 150 kWh). De notar que cada infraestrutura de carregamento pode contar com mais do que uma tomada. O número de pontos de carga aumentou 57,7%, de 3076 para 4851 nos últimos dois meses. Mas, tal como nas bombas de combustível, dois carros não podem usar a mesma bomba em simultâneo, há várias estações de carregamento que não permitem que todos os automóveis ganhem bateria ao mesmo tempo. O pagamento dos carregamentos obriga o utilizador a ter um contrato com um comercializador de eletricidade para a mobilidade (CEME), que dá um cartão para ser utilizado em todos os postos de carregamento de acesso público, sejam de carga normal ou rápida. Os pontos de carga são geridos por operadores de carregamento (OPC).

O número de postos de carregamento deverá voltar a crescer de forma significativa neste ano: a rede de postos da Via Verde passará de 36 para 82 postos, completando o plano anunciado no final de 2020.

Serão também inaugurados os restantes nove hubs de carregamento da Mobi.E, cada um com 18 tomadas.

Apoio custa 784 mil euros

O Fundo Ambiental vai neutralizar a subida da tarifa da entidade gestora junto dos consumidores, com um desconto de 26,14 cêntimos por carregamento.

Com a Mobi.E a prever três milhões de carregamentos neste ano, estima-se que a medida possa custar 784 200 euros ao Estado, segundo contas do JN/Dinheiro Vivo.

Alandroal, Alfândega da Fé, Almeida, Arcos de Valdevez, Calheta (Madeira), Caminha, Corvo, Ferreira do Alentejo, Mangualde, Oliveira de Frades, Penela, Ponta do Sol, Porto Moniz e Silves são os 14 municípios portugueses ainda sem tomadas para o carregamento de carros elétricos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG