Aviação

Ryanair desregulou escalas dos trabalhadores que rejeitaram cortes em Portugal

Ryanair desregulou escalas dos trabalhadores que rejeitaram cortes em Portugal

A Ryanair desregulou o regime de escalas habitual à "pequena minoria" de trabalhadores que recusou os cortes da empresa na sequência da pandemia de covid-19, retirando-lhes qualquer direito a bónus.

Numa carta dos recursos humanos da empresa consultada pela Lusa, pode ler-se que "a pequena minoria" de trabalhadores baseados em Portugal que não aceitou os cortes implementados pela empresa na sequência da pandemia "não está imune aos efeitos" sobre o negócio, pelo que a Ryanair acabou por implementar várias medidas específicas para esses trabalhadores.

"A pequena minoria de tripulantes que não aceitou estas medidas [cortes] não está imune aos efeitos no nosso negócio e terá [...] mudanças implementadas que são necessárias e proporcionais ao desafio" associado à pandemia de covid-19, de acordo com o documento.

Segundo se pode ler na carta, a Ryanair anunciava em julho que "a escala 5/3 [cinco dias de trabalho e três de folga] não mais se aplicará" especificamente a esses trabalhadores, acrescentando que "estarão numa escala não fixa de forma a lidar com as mudanças nos horários dos voos e com a redução do programa de voos".

"Também não terão direito aos bónus de produtividade discricionários não contratualizados ou à restituição de pagamentos durante a duração do contrato", pode também ler-se na carta dos recursos humanos da Ryanair.

O texto indicava também que a empresa iria "medir de forma sensata e objetiva a gestão de custos nas bases portuguesas, maximizando as horas da tripulação que está nos novos blocos de horas de voo".

No mesmo documento, a Ryanair congratulou-se por "mais de 90%" do seu pessoal em Portugal ter aceitado os cortes implementados pela empresa que, garante, "irão ser completamente restituídos".

Questionada pela agência Lusa sobre a alteração de escalas a estes trabalhadores específicos, a Ryanair afirmou que todos os tripulantes de cabine empregados pela empresa "estão em voos escalados de acordo com os seus contratos, acordos coletivos existentes e limitações de tempo de voo da EASA [Agência da União Europeia para a Segurança na Aviação]".

* Da agência Lusa

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG