Motoristas

Sábado é "última oportunidade" para desconvocar a greve

Sábado é "última oportunidade" para desconvocar a greve

O advogado do sindicato dos motoristas de matérias Perigosas, Pedro Pardal Henriques, disse que o plenário de trabalhadores agendado para sábado é a "última oportunidade" para a Antram apresentar uma proposta que cancele a greve de dia 12.

"Será até a essa hora [15 horas], nesse plenário, a última oportunidade que a Antram tem para dizer 'meus senhores, vamos apresentar uma contraproposta para evitar esta greve'", afirmou Pedro Pardal Henriques, esta quinta-feira, em conferência de imprensa no seu escritório, em Lisboa.

No sábado realiza-se um plenário do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), em Aveiras de Cima, distrito de Lisboa, no qual "vão ser discutidos assuntos importantes do mundo laboral", segundo Pardal Henriques.

O Governo decretou na quarta-feira serviços mínimos entre 50% e 100% para a greve dos motoristas de mercadorias que se inicia na próxima segunda-feira, dia 12, por tempo indeterminado.

Na conferência de imprensa, Pedro Pardal Henriques acusou o Governo e a Antram (Associação Nacional dos Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias) de serem os responsáveis pelas filas de automóveis nos postos de abastecimento.

"Eu queria que os portugueses percebessem que os portugueses só estão nas filas por culpa da Antram e do Governo", afirmou o porta-voz do SNMMP, que se encontrava acompanhado pelo presidente do sindicato, Francisco São Bento.

"Se os senhores ministros, em vez de proferirem declarações a dizer 'vão abastecer as viaturas', tivessem ocupado esse tempo a encontrar soluções para resolver os problemas destes trabalhadores que deram origem a esta greve, não estaria ninguém nas filas neste momento", declarou Pedro Pardal Henriques.

O advogado mostrou-se também seguro de que os portugueses compreendem a greve dos motoristas.

"Eu tenho a certeza de que todos os trabalhadores e os portugueses percebem esta greve, em primeiro lugar porque a greve não é por culpa dos sindicatos, mas sim por culpa da teimosia das empresas em não cumprir o que está na lei", declarou Pardal Henriques aos jornalistas, considerando que "os portugueses podem rever-se" nos motoristas.

O porta-voz do SNMMP garantiu que os sindicatos não vão "violar a lei" e que "os motoristas cumprem a lei, ao contrário das outras partes".

"O Governo não está a cumprir a lei ao violar os serviços mínimos decretando-os como serviços máximos, a Antram não está a cumprir a lei", considerou Pardal Henriques.

O advogado disse não compreender como é que a Antram, que "teima em não cumprir a lei" e em não "aceitar nenhuma proposta ou contraproposta", pode "dizer que têm de ser estes motoristas que trabalham de forma escrava que têm de ter humildade".

Antes da ronda de perguntas, o advogado leu ainda um comunicado conjunto de "Solidariedade com os motoristas de matérias perigosas e de mercadorias", que diz que a Antram "quer continuar a explorar os motoristas e restantes trabalhadores ao seu serviço com baixos salários e más condições de trabalho".

O comunicado afirma ainda que "o direito à greve está a ser violentamente atacado" pelo "Governo de António Costa" e que o recurso ao Exército, às forças policiais e aos bombeiros está a "destruir um direito fundamental dos trabalhadores, consagrado constitucionalmente", e que esta prática "servirá, no futuro, para aplicar a todas as greves que possam ter algum impacto na economia".

Segundo Pardal Henriques, assinaram o documento a Casa - Associação de Defesa dos Direitos Laborais, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC), Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística (SEAL), Sindicato dos Trabalhadores do Setor Automóvel (STASA), Sindicato dos Trabalhadores dos Call Center (STCC), Sindicato de Todos os Professores (STOP), MUDAR Bancários, Sindicato dos Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa (STMETRO) e SOS 'Handling'.