O Jogo ao Vivo

Pandemia

Setor aeronáutico europeu vai perder 110 mil milhões de euros

Setor aeronáutico europeu vai perder 110 mil milhões de euros

A Organização Europeia para a Segurança da Navegação Aérea (Eurocontrol) estima que o setor aeronáutico europeu vá perder 110 mil milhões de euros este ano devido à pandemia de Covid-19, entre companhias aéreas, aeroportos e prestadores de serviço.

Haverá uma perda total de receitas da indústria de aproximadamente 110 mil milhões de euros durante 2020 para as companhias aéreas, aeroportos e prestadores de serviços de navegação aérea", indica a entidade europeia numa análise divulgada esta segunda-feira.

Para chegar a este valor, a Eurocontrol teve "em conta os pontos de vista de muitas outras entidades importantes", como a Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO), a Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA), o Conselho Internacional dos Aeroportos (ACI) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), bem como "contactos com presidentes de principais companhias aéreas europeias".

Nesta análise, a Eurocontrol traça dois diferentes "cenários de tráfego" relacionados com a recuperação do setor, que regista atualmente quebras de operação na ordem dos 90% dadas as medidas restritivas adotadas pelos Estados-membros da União Europeia para tentar conter a propagação da pandemia (incluindo limitações nas viagens entre países).

E, segundo a organização europeia, enquanto uma abordagem coordenada entre os Estados-membros iria permitir "o início da recuperação em meados de junho, com a total retoma em julho", a adoção de medidas descoordenadas a nível comunitário "iria afetar significativamente a taxa de recuperação".

Frisando que estes dois cenários dependem "muito de variáveis como a duração e a dimensão da pandemia em toda a Europa, que ainda não são claras", a Eurocontrol afirma já como adquirido que, "se as companhias aéreas tiverem de cumprir um conjunto de regulamentos à partida e outro conjunto quando o voo chega a outro Estado-membro, isso será particularmente oneroso para o setor".

Então, no que toca ao cenário das medidas coordenadas, que prevê uma abordagem comum para estabelecer procedimentos operacionais e para levantar as restrições nacionais, a Eurocontrol prevê uma quebra de 45% (menos cinco milhões) nos voos realizados este ano dentro da Europa face ao período homólogo de 2019.

Os números pioram no caso de um cenário oposto, já que se cada país europeu começa a ditar as suas regras, as quebras na operação podem chegar aos 57% em 2020 (menos 6,2 milhões de voos) a nível europeu, também face ao ano anterior.

Para esta análise, a Eurocontrol teve apenas em conta o tráfego intraeuropeu por assumir que este será o primeiro a ser retomado.

"A diferença entre os dois cenários é significativa e realça que o desenvolvimento de uma abordagem comum é vital para minimizar a perturbação e o custo da pandemia", frisa a organização europeia, apelando então a que os Estados-membros se coordenem no levantamento das restrições e na aplicação de normas de segurança no setor.

Em ambos os casos, segundo os dados divulgados nesta análise, a recuperação só se deverá intensificar no final do ano, com as quebras a baixarem para -20% em outubro e só a descerem para -15% em fevereiro de 2021, isto no cenário mais positivo.

Atualmente (dados da semana passada) as quebras no tráfego aéreo europeu chegam aos 89%, com os voos de passageiros praticamente parados e a serem colmatados com os de transporte de mercadorias (voos de carga). Esta percentagem compara com uma redução de 41% em meados de março.

Ainda segundo a Eurocontrol, em média, estão a ser efetuados por dia cerca de 3000 a 4000 voos na Europa, menos 20 a 30 mil do que no mesmo período de 2019.

Outras Notícias